Eduardo Paes prevê vacina para janeiro e diz que pessoas mais velhas devem fazer seu lockdown


Em uma transmissão ao vivo na internet nesta quinta (17), o futuro prefeito do Rio disse que vai apresentar seu plano para combater a Covid-19 na semana que vem. ‘Se Deus quiser em janeiro a gente começa a vacinar’. O futuro prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) disse nesta quinta-feira (17) que não existe mais espaço para um novo lockdown na cidade
Reprodução redes sociais
O futuro prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) disse nesta quinta-feira (17), durante uma transmissão ao vivo na internet, que o município já pode iniciar sua campanha de vacinação em janeiro.
Durante a live, Paes também orientou que pessoas de mais idade fiquem em casa nesse momento de aumento do número de casos e de mortes provocadas pela Covid-19 na cidade.
“Essa é uma realidade. O vírus voltou com força e todo mudo que está aqui conhece alguém que está com o vírus ou que veio a falecer em razão do coronavírus. Eu acredito que lockdown, essas coisas, eu acredito que não tem mais espaço para isso. Mas as pessoas têm que ter compreensão”.
“As pessoas mais velhas, essas têm que fazer o seu próprio lockdown. Não dá pra ficar sassaricando por aí. tem que ficar em casa”, disse Paes.
Entre outras recomendações, o prefeito eleito fez questão de lembrar que todos que precisam sair de suas casa devem usar máscara, manter o distanciamento social e evitar aglomerações.
Vacinação em janeiro ‘se Deus quiser’
Diferente do Governo Federal, que não apresentou uma data para o início da campanha de vacinação, Eduardo Paes deu esperanças para os moradores do Rio de Janeiro. Segundo ele, as vacinas poderão ser aplicadas já em janeiro.
“É muito importante que a gente tenha a cultura de entender esse momento difícil. Se Deus quiser em janeiro a gente começa a vacinar”.
Eduardo Paes pediu também o apoio da população para enfrentar a Covid-19. Ele explicou que as vacinas serão divididas por grupos. Os primeiros serão os servidores da Saúde.
“Vamos priorizar o pessoal da saúde, priorizar o servidor da educação, para que a gente possa voltar a ter aulas para as nossas crianças. Tem um conjunto de desafios importantes, mas que eu tenho a certeza de que sem a parceria da população será impossível”, comentou Paes durante a live.
O G1 procurou a Secretaria Municipal de Saúde do Rio para saber se já existe um plano de vacinação sendo elaborado em conjunto com o futuro governo municipal, mas até a última atualização desta reportagem não houve retorno.
Plano covid na próxima semana
Com mais de 150 mil casos e 14 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus no município do Rio, a vacinação foi o principal tema da transmissão ao vivo que o futuro prefeito fez de dentro do seu carro.
Eduardo Paes comentou que na próxima semana fará o anúncio do plano de enfrentamento da Covid-19 no município.
O prefeito eleito não deu detalhes, mas disse que vai tratar da campanha de vacinação e de medidas importantes para combater a doença na cidade.
Encontro com o presidente
Na última terça-feira (15), Eduardo Paes esteve em Brasília, onde se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro. Nesta quinta, o futuro prefeito comentou que falou pouco sobre vacinação com o chefe do executivo federal, mas disse que espera participar do plano nacional de imunização.
“Tratamos pouco dessa história da vacinação do coronavírus. Obviamente, todos nós temos uma expectativa muito grande que esse plano nacional de imunização vá em frente. Ele no mesmo dia me informou que iria publicar uma MP liberando algo em torno de R$ 20 bilhões para a compra de vacinas. Ontem eu acho que o ministro anunciou medidas. Então o nosso time está trabalhando em conjunto. A gente tem conversado com diversas frentes, mas o ideal é que a gente possa participar desse plano nacional de imunização”, comentou Paes.
Plano de vacinação contra a Covid-19
O governo lançou oficialmente o plano nacional de vacinação contra a Covid-19 na última quarta-feira.
O documento não apresenta uma data para o início da vacinação. O governo argumenta que não pode cravar uma data enquanto não houver aprovação de vacina pela Anvisa.
Mas o Ministério da Saúde prevê receber 93,4 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 até março.
O plano prevê imunizar primeiro grupos considerados prioritários, por estarem mais expostos ao coronavírus ou serem mais vulneráveis à doença. A previsão é de vacinação de cerca de 50 milhões de brasileiros nos primeiro 4 meses da vacinação. Depois, levaria mais 12 meses para vacinar o restante da população.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.