Em ação na Justiça, Ministério Público tenta anular multas decorrentes de radares instalados na SP-294


Conforme a Promotoria, os equipamentos teriam sido instalados sem necessidade, sem a observância das normas legais e com violação da boa-fé objetiva, já que se destinavam apenas à pesquisa de tráfego. Ministério Público ajuizou ação contra instalação de radares na SP-294
Carlos Volpi/TV Fronteira
A Promotoria de Justiça de Dracena ajuizou ação com pedido de liminar para suspender imediatamente a função de fiscalização de velocidade de dois radares instalados na altura do quilômetro 646 da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294), no sentido Junqueirópolis–Dracena.
Para o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP), o Judiciário deve ainda suspender todas as multas por excesso de velocidade lavradas desde o início da operação até a data do desligamento dos aparelhos, sob pena de crime de desobediência e multa diária de R$ 200 mil.
A ação é contra o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e o Departamento Estadual de Trânsito (Detran).
Na petição inicial, o promotor Antonio Simini Junior cita inquérito civil instaurado diante do grande volume de reclamações enviadas por moradores da região usuários da rodovia.
Investigações foram realizadas a partir de autos de infração de trânsito decorrentes do início de funcionamento dos radares n° 17013 e 17014.
Conforme o MPE-SP, os equipamentos teriam sido instalados sem necessidade, sem a observância das normas legais e com violação da boa-fé objetiva, já que, desde a colocação dos aparelhos no local, em setembro de 2019, eles se destinavam apenas à pesquisa de tráfego.
De acordo com a Promotoria, diligências foram realizadas também no sentido de detectar eventual violação aos princípios da administração pública, em razão da transformação, repentina e desnecessária, de aparelho que funcionava como controlador de tráfego para controlador de velocidade, sem qualquer aviso ou publicidade.
Polícia Civil apura possíveis prejuízos de motoristas com multas aplicadas por radar em Dracena
Ministério Público Estadual abre inquérito para apurar supostas irregularidades na instalação de radares na SP-294
A situação, segundo o Ministério Público, poderia configurar desvio de finalidade, pois a arrecadação do Estado ultrapassaria a cifra de R$ 3 milhões em apenas 17 dias de operação dos radares, “o que se distancia do intuito da fiscalização – pedagógico e sancionatório, à luz da segurança viária”.
No mérito, a ação requer que o pedido liminar seja tornado definitivo, e que o DER e o Detran sejam condenados ao pagamento de reparação pelos danos morais difusos no valor de R$ 401,93 por cada multa irregular aplicada no período.
A Promotoria visa ainda à nulidade de atos administrativos praticados no âmbito do procedimento que autorizou o início da operação dos radares.
Outro lado
O G1 solicitou nesta sexta-feira (11) posicionamentos oficiais do DER e do Detran sobre o assunto, mas até o momento desta publicação não obteve resposta.
Ministério Público ajuizou ação contra instalação de radares na SP-294
Carlos Volpi/TV Fronteira
Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.