Empresas aéreas farão transporte gratuito de vacinas contra a Covid-19, diz Ministério da Saúde


O Ministério da Saúde informou nesta quinta-feira (17) que a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) fará o transporte de insumos e vacinas contra o coronavírus para os estados e municípios sem custo para o governo brasileiro.
“A ação visa apoiar a logística de distribuição das doses aos estados e municípios, a fim de acelerar o início da vacinação, depois que os imunizantes obtiverem registro junto à Anvisa”, diz nota publicada no site do Ministério da Saúde.
Ponto a ponto: o que há no plano de vacinação lançado pelo governo
Termo de consentimento será exigido somente para vacinas de uso emergencial, diz Pazuello
As primeiras vacinas contra a Covid-19 podem estar disponíveis para distribuição e aplicação na população brasileira a partir de meados de fevereiro, segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O ministro citou a previsão na quarta-feira (16) considerando o atual estágio dos imunizantes em desenvolvimento por AstraZeneca/Oxford e Sinovac/Butantan.
Permanece indefinida a data de início da vacinação: o ministério diz aguardar que desenvolvedores obtenham a licença e disponibilizem as doses. O ministro Eduardo Pazuello projetou “meados de fevereiro” como uma data provável.
Novos grupos prioritários
Na atualização do plano apresentado na quarta, foram incluídos entre as prioridades da campanha de vacinação:
comunidades tradicionais ribeirinhas;
quilombolas;
trabalhadores do transporte coletivo;
pessoas em situação de rua;
população privada de liberdade.
Além dos novos grupos, permanecem entre os prioritários:
trabalhadores da área de Saúde;
idosos (acima de 60 anos);
indígenas;
pessoas com comorbidades;
professores (do nível básico ao superior);
profissionais de forças de segurança e salvamento;
funcionários do sistema prisional.
VÍDEO: Brasil deve ter 31 milhões de doses de vacinas contra Covid em março, diz Pazuello
A Agência Nacional de Vigilância (Anvisa) informou nesta quarta-feira (15) que a farmacêutica norte-americana Pfizer enviou os dados da fase 3 dos testes da BNT162b2, sua candidata à vacina contra a Covid-19.
No Brasil, 2,9 mil voluntários participam dos testes. O governo federal negocia a compra de 70 milhões de doses da vacina.
EFICÁCIA: Fase 3 dos testes indica 95% de eficácia, afirma Pfizer
SUPER FRIO: Armazenamento a -70°C é desafio para compradores da BNT162b2
O procedimento não significa que a empresa pediu o registro do produto no país: na etapa atual, a empresa busca acelerar o trâmite e preparar a futura solicitação.
Lista das vacinas em análise pela Anvisa
Divulgação
Com a nova remessa de documentos, a empresa segue o chamado “processo de submissão contínua” previsto pela agência federal para acelerar o recebimento de dados dos fabricantes que desenvolvem as possíveis vacinas contra o novo coronavírus.
Na submissão contínua, as empresas não vão precisar ter todos os documentos reunidos para apresentá-los de uma vez só à Anvisa, como normalmente ocorre.
4 das 11 vacinas contra Covid na fase final de testes já apresentaram taxas satisfatórias de eficácia e de segurança; veja comparativo
95% de eficácia
A Pfizer e o laboratório alemão BioNTech já anunciaram que a a BNT162b2 teve 95% na prevenção à doença, e não houve efeitos colaterais graves, conforme dados dos estudos de fase 3 publicados na revista científica “New England Journal of Medicine”.
A agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA (na sigla em inglês), aprovou na noite desta sexta-feira (11/12) o uso emergencial da vacina da farmacêutica Pfizer contra o novo coronavírus.
Antes da aprovação nos EUA, o Reino Unido começou na terça-feira (8) a vacinar sua população contra a Covid-19 com a vacina da Pfizer. Uma senhora de 90 anos, Margaret Keenan, foi a primeira a receber a dose.
VÍDEOS: novidades sobre a vacina contra a Covid
Adicionar aos favoritos o Link permanente.