Família de grávida baleada na Bahia tenta transferência da mulher para SC


‘Uma mãe está lutando pela vida dela e da filha’, diz sobrinha. Mulher de 44 anos foi baleada durante tentativa de assalto na Bahia. Andreza Maestri
Reprodução/Redes sociais
Uma família catarinense tenta transferir a parente grávida que está internada em um hospital da Bahia para Florianópolis. Andreza Maestri, de 44 anos, foi baleada na cidade de Maraú na quarta-feira (23) e seguia internada em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em um hospital de Ilhéus até o início da tarde deste sábado (26), conforme a sobrinha Juliana Kretzer, que viajou para o estado baiano para acompanhar a tia.
A ideia da família é fazer a transferência de Andreza para um hospital de Florianópolis que tenha especialidade em neonatologia, para que haja todos os cuidados possíveis para a sobrevivência da bebê. A gestação é de 16 semanas.
Violência
Andreza foi atingida por um tiro no olho esquerdo. “O estado dela é muito grave, o projétil está alojado. A equipe de neurologia não achou viável a cirurgia”, relatou a sobrinha.
A vítima foi à Bahia para passar o fim de ano com o marido. O casal estava de carro quando foi surpreendido pelos criminosos. “Eles estavam numa rótula quando ela avistou quatro pessoas e falou ‘acho que é um assalto’. Eles deram a ré no carro e foram alvejados. Os assaltantes continuaram atirando, ele [marido] saiu em fuga, buscando socorro”, relatou a sobrinha.
Andreza Maestri nasceu e mora em Florianópolis
Reprodução/Redes sociais
Primeiramente, Andreza foi atendida na cidade de Itacaré. Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) fez a transferência dela para o Hospital Costa do Cacau, em Ilhéus, onde ela deu entrada à 1h30 de quinta (24).
Tentativa de transferência
Mãe e filha estão sendo monitoradas pela equipe médica. “A bebê está com vida. Foram feitos três ultrassons, ela tem 16 semanas. O batimento cardíaco está normal”, disse a sobrinha.
Andreza Maestri é enfermeira e ama o que faz, segundo a sobrinha
Reprodução/Redes sociais
A família está em contato com o Corpo de Bombeiros catarinense, que possui um helicóptero equipado para fazer a transferência de Andreza para Florianópolis. Mas a sobrinha declarou que algumas condições são necessárias para que o deslocamento seja autorizado.
“Ela [paciente] tem que estar estável. O quadro dela é instável. Veio boletim médico pela manhã, do médico intensivista, deu as informações de que a pressão e temperatura estão baixas, ela não teria condições de ser transportada”, afirmou.
Esperança
“A família toda está com muita esperança, orando. Existe a possibilidade de salvar a bebê, e existe essa possibilidade, inclusive, de ela [Andreza] ser transportada em morte encefálica com o bebê em vida, para que possa receber manutenção adequada”, disse a sobrinha.
Segundo ela, o hospital em que a tia está internada não tem especialidade em neonatologia e a paciente recebe cuidados de um médico intensivista.
Andreza Maestri
Reprodução/Redes sociais
“Minha tia é enfermeira, técnica em instrumentação cirúrgica, formada, graduada. É uma guerreira”, disse a sobrinha. Andreza nasceu e mora em Florianópolis. A bebê se chama Antonella.
“Antonella já é um milagre, a Antonella é a resposta. Uma mãe está lutando pela vida. A gente não vai desistir dela, vamos fazer tudo o que for possível”, afirmou a sobrinha.
“Antonella está lutando para viver, ela é uma reposta pra gente. E uma mãe está lutando pela vida dela e da filha”, resumiu Juliana.
Veja mais notícias do estado no G1 SC
Adicionar aos favoritos o Link permanente.