5 curiosidades no mundo dos vinhos para você impressionar


Vinhos para iniciantes, estágio em barrica de carvalho, denominação espanhola Crianza, dor de cabeça e cheirar a rolha. Cinco dicas para ajudar você a arrasar nas informações quando for degustar a próxima taça.

Quais são os melhores vinhos para iniciantes?
Realmente ingressar no mundo dos vinhos não é uma tarefa fácil, dada a diversidade de rótulos disponíveis no mercado. Mas algumas dicas podem ajudar quem está começando. A maioria dos produtores têm uma linha de entrada de vinhos, passando pelos intermediários até chegar aos de alta gama. Comece pelos de entrada. Uma dica: escolha os varietais (aqueles de uma uva só, que têm o nome estampado no rótulo), de países como Chile e Argentina, por exemplo. Ou então pelos rótulos portugueses, que estão arrasando em qualidade. Sugestão para iniciantes? O português Pouca Roupa tinto.
Pouca Roupa tinto
Porto a Porto
O que acontece com o vinho quando passa por barrica?
Alguns vinhos passam algum tempo (muito variável, dependendo do produto e do produtor) amadurecendo em barricas de carvalho. O uso da madeira é um dos fatores fundamentais no estilo do vinho que se quer produzir. Quando se trata de vinhos encorpados que estagiam em barrica de carvalho acontece um processo chamado micro oxigenação através dos poros da madeira. Resumidamente, esta técnica suaviza os taninos e acentua a sua textura, além de aumentar a complexidade da bebida. Outras espécies de madeira já foram testadas, mas o carvalho mostrou-se ideal por ser impermeável, de fácil manuseio, com alta força tênsil e maleável. O vinho Nuestro 15 Meses DO Ribera del Duero estagia 15 meses em barrica. Experimente e confira o resultado.
Nuestro 15 Meses DO Ribera del Duero
Porto a Porto
Crianza é o nome de um vinho?
Você já ouviu alguém falar que gosta de vinho Crianza? Essa classificação é muito usada para se referir a vinho espanhol, porém não é o nome da bebida. Em cada local essa designação obedece algumas regras, mas a legislação mais famosa é a Denominação de Origem Qualificada (DOCa), na Espanha, onde a palavra Crianza, para tintos, significa que o vinho passou, no mínimo, 12 meses em barrica de carvalho seguido de 12 meses em adega, para então ir ao mercado. Experimente o Marqués de Tomares Crianza.
Marqués de Tomares Crianza
Porto a Porto
Vinho dá dor de cabeça?
Se você ingerir bebida alcoólica em grande quantidade sem se hidratar, ou seja, sem tomar água, fatalmente você terá dor de cabeça. Isso acontece porque o álcool desidrata o corpo e uma das consequências é justamente a cefaleia. Também há vinhos de qualidade inferior, no qual os produtores adicionam açúcar para obter o álcool necessário (lembre-se que a fermentação é a transformação do açúcar em álcool), que podem resultar em dores de cabeça. Mas, lembremos, vinho não é bebida de excesso, é para acompanhar as refeições e momentos em família, com consumo moderado.
Existem estudos que especulam sobre componentes dos vinhos e dores de cabeça, mas nada comprovado cientificamente. Então, para evitar problemas: degustar sim, mas sempre acompanhado de água. Experimente o Château Reynon Sauvignon Blanc dessa forma e veja como funciona.
Château Reynon Sauvignon Blanc
Porto a Porto
É correto cheirar a rolha do vinho?
Eis um assunto polêmico. Os que defendem a ideia esperam encontrar defeitos que possam ser identificados apenas sentindo o cheiro da cortiça. Os contrários partem do princípio: não é cheirando a rolha que se descobre se o vinho está bom para ser consumido ou não. A rolha pode sugerir que há algum problema ou ainda mostrar o estado de conservação de vinhos de guarda (aqueles feitos para beber daqui 30 anos, por exemplo), porém pode acontecer de uma rolha estar excelente e o vinho estragado, e vice-versa. Para testar, experimente o Espumante Messias Gran Reserva Blanc de Noir.
Espumante Messias Gran Reserva Blanc de Noir
Porto a Porto

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.