Alunos e professores protestam contra casos de Covid-19 em escola municipal da Pedreira, em Belém


Eles afirmam que, apesar do avanço da doença na instituição, as aulas na unidade ainda não foram suspensas. Protesto em escola pública na Pedreira, em Belém
Facebook/ Sintepp
Professores e alunos da escola municipal Josino Viana, que fica no bairro da Pedreira, em Belém, realizaram um protesto na manhã desta quinta-feira (22). Os manifestantes denunciavam o aumento de casos suspeitos de Covid-19 na unidade. Eles afirmam que, apesar do avanço da doença na instituição, as aulas na unidade ainda não foram suspensas.
O protesto começou por volta das 10h na travessa Lomas Valentinas. Professores e alunos permaneceram com cartazes em frente a escola e chegaram a bloquear o trânsito em parte da via.
O Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras em Educação Pública do Pará (Sintepp) apoiou a manifestação na escola Josino Viana. Em comunicado divulgado nas redes sociais, o sindicato defendeu a suspensão das aulas presenciais, a sanitização das escolas e a testagem de todos os trabalhadores e alunos das unidades de ensino.
um levantamento realizado pelo sindicato e divulgado no dia 13 de outubro apontou que cerca de 30 escolas da rede municipal de Belém registraram casos de Covid-19. Atualmente, a rede municipal de ensino possui cerca de 70 mil estudantes.
“Vivemos em uma situação complicada, as pessoas estão se infectando. Muitas vezes, a direção da escola sabe da infecção, afasta o funcionário doente, mas quer manter as aulas. O que deveria ser feita era uma desinfecção geral na unidade. Mas o que ocorre é uma desinfecção ‘caseira’, não da forma correta”, alerta a secretária-geral do Sintepp em Belém, Miriam Sodré.
Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Semec) informou que dois professores do turno da noite apresentaram suspeitas de contágio por Covid-19 e foram afastados imediatamente até sair o resultado dos exames. Como medida preventiva, a escola dispensou por três dias os alunos da noite para realizar a desinfecção das salas conforme orientação da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma). O retorno dos alunos está previsto para a próxima terça-feira, 27.
Além disso, Sesma informou que continua testando os casos que são notificados à Divisão de Vigilância Epidemiológica com sintomas sugestivos da doença. A Sesma ressalta que a pandemia ainda não acabou e é importante continuar fazendo o monitoramento dos casos, identificando qualquer pessoa (estudante, professor ou colaborador) que apresente sintomas gripais para afastá-la de imediato por 10 dias a contar do início dos sintomas, ou até que saia o resultado do exame. Caso seja negativo, poderá retornar às atividades quando estiver sem sintomas. A Sesma deve ser notificada para fazer a investigação do caso, monitoramento dos contatos e as orientações adequadas para o caso.
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.