Amapá entra no 19º dia de apagão com expectativa da volta de 100% da energia e visita de Bolsonaro


Usinas termelétricas devem entrar em atividade neste sábado (21) para o restabelecimento total e provisório da eletricidade. Presidente da República cumprirá primeira agenda no Amapá após apagão na tarde de sábado. Usina termelétrica de Santana vai receber geradores
Rede Amazônica/Reprodução
O Amapá chega neste sábado (21) ao 19º dia de crise energética em 13 das 16 cidades, entre elas a capital Macapá. Foi previsto para hoje o retorno de 100% da distribuição de eletricidade para esses municípios, com a ativação de 45 megawatts de energia proveniente de usinas termelétricas contratadas para suprir a necessidade de consumo. Também está prevista para a tarde deste sábado a primeira visita do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao estado após os apagões.
O estado viveu dois blecautes totais, um no dia 3, que levou 4 dias para ter o fornecimento retomado mesmo que parcialmente, e outro na última terça-feira (17), que foi ajustado em cerca de 5 horas. Há investigações abertas em órgãos federais e estaduais para explicar as causas.
Veja a cronologia da crise de energia elétrica
Entenda as causas e consequências da falta de energia no estado
Num processo de instalação desde terça-feira (17), os 47 geradores movidos à combustível devem ter o início dos trabalhos acompanhado por Bolsonaro. O presidente deve visitar nesta tarde os locais de geração, em subestações da capital e do município de Santana.
Os equipamentos termelétricos podem garantir o retorno total do serviço de forma gradual, que deve ser normalizado completamente na quinta-feira (26), segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.
Montagem de gerador termelétrico na Subestação Santa Rita, em Macapá
GEA/Divulgação
Sobre os geradores, o diretor-presidente da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), Marcos Pereira, não garantiu o restabelecimento de 100% de imediato do serviço. Para ele, isso dependerá do comportamento do consumidor.
“A gente tá falando aí de 45 megawatts acrescidos ao que a gente já tinha. Ele fica ali próximo do que seria necessário, só que, se a gente tiver o consumidor agindo de uma forma muito estressada, usando todos os seus aparelhos de ar-condicionado, usando outros equipamentos no mesmo horário de uma forma a utilizar um consumo muito grande dos seus equipamentos, a gente vai ter que ter um racionamento”, falou, em entrevista na quinta-feira (19).
Entenda no vídeo abaixo, em 7 pontos, o apagão no Amapá:
Entenda o apagão no Amapá em 7 pontos
Os geradores vão garantir o abastecimento até que mais dois transformadores da principal subestação do estado voltem a funcionar. E, depois, eles ficam de retaguarda, para evitar novos blecautes.
A CEA, que aguarda a ativação dos equipamentos para distribuir essa energia, adiantou que o rodízio será suspenso, mas ainda vão ocorrer interrupções em horários de pico: das 14h às 16h e de 22h até 1h30. O diretor-presidente chegou a pedir paciência, enquanto o problema é resolvido.
A Justiça Federal definiu que a Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE) — responsável pela Subestação Macapá, ligada ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e que pegou fogo no dia 3 de novembro — tem até o dia 25 de novembro para realizar a “completa solução” do problema.
Subestação em Macapá onde aconteceu incêndio
Wesley Abreu/Rede Amazônica
Para garantir 100% do abastecimento é necessária a instalação de um segundo transformador na Subestação Macapá, que deve ser energizado até o dia 26 de novembro; e, com segurança de reserva de energia, de um terceiro enviado de Boa Vista e que deve chegar ao estado em dezembro.
O segundo equipamento, que estava em Laranjal do Jari, no Sul do estado, chegou em Macapá na quarta-feira (18), após uma grande operação para o transporte, já que ele pesa cerca de 200 toneladas. Foram mais de 30 horas de viagem de balsa.
Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá
Assista a vídeos do apagão no Amapá:
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.