Arquiteto de Florianópolis lança livro de poesias e disco autoral

Arquiteto e urbanista, professor aposentando e morador de Florianópolis há mais de três anos, Ângelo Arruda se prepara para lançar duas contribuições culturais neste mês: o livro de poesias “A Simplicidade do Abismo”, na quarta-feira (21), e o disco “Régua e Compasso: Arquitetando a Música”, no dia 30 de outubro.

Poeta e compositor lançará dois trabalhos autorais no mês de outubro – Foto: Divulgação/Ângelo Arruda

Natural de Campo Grande (MS), o ex-presidente da FNA (Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas) já havia lançado seu primeiro livro de poesias, “A Invenção do Silêncio”, em 2017, e um CD autoral chamado “Água de Viver”, em 2018.

Morando em Florianópolis desde 2017, ele conta que escreveu as poesias do seu segundo livro já em solo catarinense. A editora, inclusive, é a Traços & Capturas, de Itajaí.

Já o disco foi quase integralmente produzido na sua cidade natal no Mato Grosso do Sul.

Ângelo explica que as restrições e cuidados necessários por conta da pandemia da Covid-19 interferiram nas duas produções e, para lançar ses trabalhos, fará lives de lançamento transmitidas pelo Youtube e Instagram.

“A pandemia atrapalhou, ficamos de fevereiro até agosto sem poder gravar, sem os músicos poderem participar. Eu canto três musicas das 12 no disco e não podia gravar. Assim como o livro, fiz o contrato no ano passado, mas só foi finalizado em junho deste ano”, conta.

“A Simplicidade do Abismo”

Ângelo Arruda apresenta o livro como “um trabalho autoral, mais maduro pelo caminhar das letras no tempo e pelo flutuar do pensamento. Aqui me desdobro para encontrar as raízes da minha poética, minhas influências, recortando paisagens e lugares, objetos e instintos. Nesse livro sou eu quem me lanço no espaço para a contemplação do olhar, para o triturar dos versos entre as estrelas e para o reencontro de mim mesmo.”

Livro “A Simplicidade do Abismo” será lançado no dia 21 de outubro – Foto: Divulgação/Ângelo Arruda

O livro, escrito em Santa Catarina e editado pela Traços & Capturas, tem capa de Guto Barros e apresentação de Moriel Costa e Alex Fraga, além de um adendo poético com poemas de Carlos Anselmo, irmão falecido do autor.

De acordo com o artista, suas motivações para ingressar no mundo da poesia começaram quando ele estava iniciando o curso de arquitetura, em Recife (PE).

“Lá eu tive contato com uma das grandes poetisas nordestinas, Maria do Carmo Barreto Campello, jornalista e integrante da Academia Pernambucana de Letras. Me deu o meu primeiro livro de poesias, um livro dela, e ali eu me encantei com as palavras. Manoel de Barros, outro poeta nacional que faleceu em 2014, em Campo Grande, também me influenciou muito”, diz.

A obra  “A Simplicidade do Abismo” será lançada na próxima quarta-feira, dia 21 de outubro, com uma live às 19h, que será transmitida pelo Instagram e Youtube da Editora Traços & Capturas.

“Régua e Compasso: arquitetando a música”

Segundo disco autoral de Ângelo Arruda, o CD traz 12 faixas em diversos ritmos: blues, xote, bossa nova, samba soul, MPB e a novidade são duas músicas instrumentais.

O trabalho musical foi produzido por Otávio Neto e Gilson Espíndola.  Cantam, além do autor, Geraldo Espíndola, Begét de Lucena, Karla Coronel, Chicão Castro, Zeh Rocha além de Gilson e Otávio Neto.

CD “Régua e Compasso: arquitetando a música” tem 12 faixas – Foto: Divulgação/Ângelo Arruda

Diversos instrumentistas reconhecidos foram convidados, como os guitarristas Chico Martins (da banda Dazaranha), Gabriel Andrade e Heber Nunes, o violonista Cristiano Kotlinski, sopros com Junior Matos e Alvani Calheiros, percussão de Néio de Jesus, Cello de Marcelo Gerônimo, acordeon de Renan Nonato e Marcellus Anderson.

A capa é do publicitário Renato Garcia e as fotos de Beto Miranda de João Pessoa (PB).

As 12 canções compostas por Ângelo Arruda estão disponíveis em todas as plataformas de streaming (Spotify, Deezer, Napster, Shazam, Amazon, Tidal, Pandora, iMusic) e no canal do Youtube.

Arruda cita influências nacionais para seu trabalho musical, como Djavan, Milton Nascimento, Caetano Veloso e João Bosco. O último, inclusive, tem uma música no disco em sua homenagem.

“São músicos que eu me empenho em ouvir sua discografia, em aprender a tocar as musicas”, diz o compositor. Mas. Ppor conta da pandemia, o músico ainda não poderá tocar as músicas em shows, o que aguarda ansiosamente.

“Para lançar presencialmente vai depender dos protocolos, tenho muita esperança de que a partir do ano que vem a gente possa fazer isso”, diz.

Por enquanto, o disco será tocado ao vivo apenas na live de lançamento, que será realizada às 21h (Horário de Brasília) do dia 30 de outubro, pelo canal do Youtube do Gílson Espíndola.

Como adquirir as produções

Para quem mora em Campo Grande, o livro está à venda no Instituto Amigos do Coração: (67) 3023-4145. E o CD está com Gilson Espindola: (67) 99209-1973.

Já para os moradores de Florianópolis ou outras localidades, as aquisições do CD e do livro podem ser feitas diretamente com o autor, pelo endereço de e-mail: angelomv@uol.com.br, ou pelo telefone: (67) 99221-8522.

O livro também pode ser adquirido pelo site da Editora Traços & Capturas.

Tags , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”