A participação crescente da pessoa física no mercado financeiro e o período de quarentena, que se estende de forma mais ou menos intensa desde março, foram essenciais na expansão do uso do contrato de dólar mini, que vem sendo estudada por participantes de mercado e pelo próprio Banco Central. Para Roberto Motta, responsável pela mesa institucional de futuros da Genial Investimentos, com mais tempo livre em casa, esse tipo de investidor pode estudar e se familiarizar melhor com o instrumento.


Com Agências