Brasil registra 1.001 novas mortes por coronavírus e se torna o segundo com mais casos no mundo

 

O Brasil registrou 1.001 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, 20.803 novos casos confirmados e se tornou o segundo país no mundo com mais casos, com um total de 330.890.

O país ultrapassou a Rússia, que tem 326.448 casos, segundo a Universidade Johns Hopkins (EUA), que monitora dados da pandemia. Os EUA são o país mais afetado, com quase 1,6 milhão de casos e 95 mil mortes.

Segundo dados do Ministério da Saúde desta sexta (22), o Brasil tem um total de 21.048 óbitos

O recorde é de 1.188 novas mortes registradas em apenas um dia, na quinta (21).

Os cinco primeiros países com mais mortes são EUA (95 mil), Reino Unido (36 mil), Itália (32 mil), Espanha e França (28 mil). O Brasil vem em seguida. No entanto, a Rússia, o segundo país com mais casos, lista pouco mais de 3.000 mortes, o que gera desconfiança interna e externa.

No Brasil, São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco e Pará concentram mais da metade do total de mortes em decorrência da doença.

São Paulo, o estado mais afetado, tem um total de 5.773 mortes e 76.871 casos confirmados. Rio de Janeiro (3.657), Ceará (2.251), Pernambuco (2.057) e Pará (1.937) aparecem na sequência em número de mortes.

Já no ranking de casos confirmados, o Ceará aparece em segundo lugar com 34.573 casos. Depois vêm Rio de Janeiro, com 33.589 casos; Amazonas, com 27.038; e Pernambuco, com 25.760.

O boletim também mostra que 135.430 pessoas que haviam sido infectadas pelo coronavírus se recuperaram da doença, o que corresponde a 40,9% do total de casos.

O Ministério da Saúde não realizou nesta sexta-feira sua coletiva de imprensa diária, no Palácio do Planalto, em Brasília, para divulgar as ações de enfrentamento à pandemia e comentar o aumento recente no número de mortes.

Na quinta-feira, técnicos da pasta afirmaram que havia sinais de que a curva de casos pudesse estar se estabilizando nos estados da região Norte. No entanto, seriam necessários mais alguns dias para confirmar se configurava uma tendência.

O secretário substituto de vigilância em saúde da pasta, Eduardo Macário, também afirmou que os estados do Norte e Nordeste eram duramente afetados porque o surto de coronavírus coincidia com a sazonalidade das doenças respiratórias na região. As doenças respiratórias atingem primeiramente essas regiões por conta da temporada de chuvas nessas localidades.

Segundo Michael Ryan, diretor-executivo da OMS (Organização Mundial da Saúde), a América Latina é o novo epicentro da pandemia de coronavírus e o Brasil é o país mais preocupante.

Estimativas também divulgadas nesta sexta pelo Imperial College indicam que a transmissão da doença continua acelerando no Brasil. A taxa de contágio (Rt), que indica para quantas pessoas em média cada infectado transmite o coronavírus, foi calculada em 1,3 (quando está acima de 1, a transmissão está fora de controle).

Fonte: Flix Notícias