Demitidos do setor calçadista por causa da pandemia buscam recolocação no varejo em Franca


Segundo dados do Sindifranca, em setembro, indústria tinha déficit de 4.799 vagas. Em expansão mesmo com incertezas do cenário econômico, redes de supermercados abrem lojas e absorvem mão de obra. Inaugurações de supermercados abrem 320 vagas de trabalho em Franca, SP
Depois de ficar oito meses desempregada, Silvia Patrícia Vasconcelos de Morais conseguiu uma vaga como repositora de bazar em um supermercado que acabou de ser inaugurado em Franca (SP).
Por ter trabalhado a vida toda na indústria calçadista, um dos setores mais prejudicados pela crise causada pela pandemia, Silvia não tinha experiência em outra área. Segundo dados do Sindicato da Indústria de Calçados (Sindifranca), em janeiro, o setor tinha 15.699 empregados; em setembro, o número caiu para 10,9 mil funcionários.
Mas, mesmo sem qualificação, Silvia decidiu buscar uma recolocação e conseguiu uma nova oportunidade.
“Foi um período muito difícil, eu passei dificuldade, principalmente com alimentos, água, energia. Eu consegui uma oportunidade nova na área do mercado e pretendo mostrar eu máximo. Após o contrato, eu passei por um treinamento de muitos dias em lojas de outras cidades. Eu estou preparadíssima para servir a todos”, diz.
Silvia Patrícia Vasconcelos de Morais perdeu o emprego na indústria de calçados em Franca, SP, mas conseguiu se recolocar no varejo
Jefferson Severiano Alves/EPTV
Apesar do cenário econômico incerto, redes de supermercados implementaram a abertura de lojas. Em setembro, comércio e serviços em Franca deram sinais de retomada com a abertura de vagas. Cerca de 320 postos de trabalho foram gerados nos últimos dias.
Para muita gente que atuava produzindo sapatos e que foi demitida em consequência da pandemia, a chance de trabalhar no varejo chegou em uma boa hora.
“Para mim, foi maravilhoso. Eu sou casada, tenho família”, diz a atendente de crediário Tatiana Rodrigues Silva Maia.
Com sinais de retomada, varejo em Franca, SP, absorve mão de obra da indústria calçadista
Jefferson Severiano Alves/EPTV
A rede em que Tatiana e Silvia estão trabalhando pretende abrir mais postos de trabalho no início de 2021 devido à expansão de unidades.
“Só em Franca vão ser três mais três lojas. Nosso plano é ter quatro lojas em Franca, gerando, em média, 200 empregos diretos em cada uma dessas unidades”, diz o diretor Gonçalo Glauco Justino Silva.
Em outra rede, a expectativa é abrir a sexta loja em Franca, já que a obra do prédio deve ser concluída até o final de dezembro e as contratações já começaram. Serão 120 vagas para operador de caixa, empacotador, repositor de mercearia, repositor de hortifrúti, auxiliar de limpeza, açougueiro e balconista de padaria.
“Não é quesito para a nossa contratação a experiência, até porque nós somos uma rede de supermercados que investimos muito em treinamento e gostamos de fazer com que os nossos colaboradores cresçam junto com a empresa”, afirma a consultora jurídica Flávia Moreira.
Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.