Diretor de presídio em MG é acusado de aceitar até tratamento de beleza como propina

Operação Alegria prendeu diretores de presídios, policiais penais e advogados suspeitos de corrupção no sistema penitenciário de Minas Gerais.
Diretor de presídio em MG é acusado de aceitar até tratamento de beleza como propina
A Operação Alegria prendeu diretores de presídios, policiais penais e advogados suspeitos de corrupção no sistema penitenciário de Minas Gerais. Um personagem central dessa história é Rodrigo Malaquias, ex-diretor da Penitenciária Nelson Hungria. Segundo os investigadores, a unidade era um negócio muito lucrativo para Malaquias.
Atrás das muralhas da maior penitenciária mineira, vivem 2 mil presos, em condições bem diferentes uns dos outros. Uma parte vive em celas individuais, no máximo, divide o espaço com mais um preso. Mas outro grupo vive em celas coletivas para oito pessoas, mas que chegam a receber 12, 14. Segundo a investigação da força integrada de combate ao crime organizado, essa diferença de tratamento gerou um mercado clandestino de compra e venda de vagas e transferências. Toda vez que um preso queria sair da cela onde estava para ir para outra mais vazia, ele tinha que pagar propina.
Um detalhe curioso chamou atenção dos investigadores: além de dinheiro, o ex-diretor do presídio também aceitava um tipo de propina para melhorar sua aparência. Veja a reportagem completa no vídeo acima.
Ouça o podcast do Fantástico:
Veja todas as reportagens do Fantástico:
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.