Funcionário de supermercado é suspeito de assédio, em BH


De acordo com a PM, o homem não foi encontrado para dar a versão dele. Estabelecimento disse que afastou funcionário até a conclusão de apuração interna. Hipermercado Extra no bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte
Google Street View/Reprodução
Um funcionário do supermercado Extra é suspeito de ter assediado uma mulher, de 27 anos, no Bairro Santa Efigênia, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, neste domingo (27).
O homem, de 28 anos, teria seguido a mulher entre os corredores do supermercado. De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), a mulher “estava no interior da loja, quando deparou com funcionário ficando bem próximo dela, sem contato físico. Ela se distanciou do homem e foi a outro setor da loja, sendo seguida por ele. Mudou novamente de setor e o homem continuou a segui-la”.
A mulher ficou incomodada e, junto com o namorado, foi até o caixa para reclamar. Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, o funcionário teria se escondido entre as prateleiras para não ser visto. Foi solicitado ao casal que fizesse a denúncia no Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) da loja e, durante o atendimento, o funcionário insistia em observá-la.
Testemunhas contaram que o sistema de monitoramento do supermercado não estava funcionando e que a solicitante estava muito nervosa, chorando bastante. De acordo com a PM, o homem não foi encontrado para dar sua versão dos fatos.
A Polícia Civil informou que a vítima compareceu na 1ª Delegacia de Polícia Civil Centro, na terça-feira (29), e “não chegou a relatar fato típico que possa ser considerado crime, como grave ameaça ou ato contra a liberdade sexual dela”. “No registro da ocorrência, ela relata o incômodo acerca do comportamento do funcionário do estabelecimento”, diz a polícia, que concluiu: “Na data do fato, a Polícia Militar não constatou, no local, registro de imagens ou outros elementos que comprovassem a notícia dos fatos”.
O Extra disse que tomou conhecimento do relato na noite desta segunda-feira (28) e imediatamente abriu um processo interno de apuração. Entraram em contato com a cliente na terça-feira (29). Além do pedido de desculpas, a rede também pegou mais detalhes para a investigação. “Até que se conclua a apuração interna, o colaborador citado pela cliente está afastado”, concluiu o supermercado em nota.
Entenda o que pode ser considerado crime de importunação sexual
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”