Gaeco prende candidato a prefeito Luizinho Campos e um empresário, e afasta secretários da Prefeitura

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) em Garopaba cumpre, desde a manhã desta quinta-feira (29), mandados de prisão preventiva e de medidas cautelares. O vereador e candidato Luizinho Campos (PSB), que concorre à prefeitura de Garopaba, foi preso nesta que é segunda parte da “Operação Ordem Urbana”.

Também foi cumprido um mandado de prisão contra o empresário Carlos Alberto Xavier, também investigado. O Ministério Público pediu ainda o afastamento de dois secretários municipais, Luiz Carlos Gaspar, responsável pela pasta da Fazenda, e Nereida Monteiro, do Planejamento Urbano e Meio Ambiente. O MP não informou mais detalhes da operação, pois ainda teria outros mandados para serem cumpridos. Uma nota oficial deve ser divulgada ainda nesta quinta.
Luizinho concorre ao Executivo, representando a continuidade da atual gestão, comandada por Sérgio Cunha (PSD). A defesa do vereador e candidato afirma que não teve acesso aos autos e que ainda não dispõem de informações sobre o fato específico que gerou a prisão.
No último dia 6 o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) cumpriu 22 mandados de busca e apreensão e mandados de prisão temporária, quatro em Garopaba e três contra servidores da Secretaria de Desenvolvimento Urbano Sustentável (Sedurb) do município de Imbituba, dois deles concursados. À época, além de buscas na Prefeitura de Garopaba, os policiais também compareceram no gabinete de Luizinho, assim como estiveram em sua casa e em seu escritório de campanha.
A presidente da Câmara de Vereadores de Garopaba, Micheline de Araújo Luiz (MDB), informou que ainda está tomando ciência dos fatos e que deve se manifestar nesta quinta. Já a prefeitura disse que já tomou as devidas providências em relação ao afastamento dos secretários. A investigação teve início ainda em 2018.
A ação ocorrida no mês passado apura a prática de crimes contra a administração pública por funcionários públicos e particulares, além de associação criminosa. Os crimes seriam referentes à Lei de Parcelamento do Solo. Prédios das prefeituras dos dois municípios foram alvos, além da Câmara de Vereadores de Garopaba.  servidores da Secretaria de Desenvolvimento Urbano Sustentável (Sedurb) da prefeitura de Imbituba, dois deles concursados.

COMISSÃO PROCESSANTE
No último dia 20 foi aberta na Câmara de Vereadores de Garopaba uma Comissão Processante que pretende julgar o vereador Luizinho Campos (PSB), citado nas investigações. Os legisladores entenderam a necessidade da abertura do processo em razão de, nos trechos interceptados pelo GAECO, divulgado pelo Despacho Judicial que autorizou os primeiros mandados, o vereador parecer se utilizar da função para facilitar processos relacionados à liberação de ligações de energia em áreas irregulares e nos serviços de cadastramento imobiliário, dentro da administração pública, assim como na Celesc.

 

Tags , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.