Governo do RS inicia volta às aulas presenciais a partir de 20 de outubro nas escolas estaduais


Ensino médio e técnico são os primeiros níveis a retornar. Turmas dos finais do ensino fundamental voltam a partir de 28 de outubro e dos anos iniciais, a partir de 12 de novembro. Escolas públicas estaduais do RS retornam a partir de 20 de outubro.
Palácio Piratini/Divulgação
O governo do estado anunciou nesta quarta-feira (14) o calendário de retorno das aulas presenciais nas escolas estaduais do Rio Grande do Sul. As primeiras turmas a voltarem serão dos ensinos médio e técnico, a partir da próxima terça-feira (20).
Anos finais do ensino fundamental retornam a partir de 28 de outubro e anos iniciais, a partir de 12 de novembro. O calendário e os protocolos estão disponibilizados neste site.
“Desde o final de julho, o estado observou uma redução nos casos, uma estabilização nas internações por coronavírus, no mês de agosto, e uma redução a partir de setembro”, pontuou o governador Eduardo Leite. “Muitas escolas da rede privada já retornaram, e o retorno se mostrou seguro, sem intercorrências. Portanto, o governo do estado que fez toda a lição de casa, está promovendo este retorno”, conclui.
Teto de 50% e protocolos de segurança
Medidas de segurança anunciadas anteriormente foram mantidas, como a organização de um Centro de Operações de Emergência, elaboração de um plano de contingência e criação de uma logística de acessos, fluxos e transporte dos estudantes.
A retomada da rotina pelos alunos, entretanto, não é obrigatória, assim como para professores em grupos de risco. De acordo com o secretário de Educação, Faisal Karam, o plano de contingência deve respeitar um teto máximo de ocupação de 50% dos estudantes, que irão voltar de forma alternada.
“Como a gente sabe que parte significativa dos pais não irá enviar seus filhos, não iremos trabalhar com a capacidade máxima. O aluno que vem de forma presencial estará de forma remota na semana seguinte, e se tiver algum problema de acesso, levará as atividades de forma impressa para casa. Este revezamento permite trabalhar com distanciamento social significativo. É um crescimento gradual do retorno”, explica.
Qualquer aluno, professor ou funcionário que manifestar algum sintoma gripal não deve ir à escola. Além disso, os materiais não devem ser compartilhados.
Segundo o governo, um investimento de R$ 270 milhões foi feito na rede estadual para tornar o retorno seguro. Em equipamentos de proteção individual, como máscaras e termômetros, o valor investido é de R$ 15,3 milhões.
“Educação é um item essencial do indivíduo e de formação da sociedade. Não podemos nos resignarmos de vermos tantas outras atividades retornando e a educação não voltar, quando é do interesse de todos”, complementa Leite.
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”