Investigação sobre morte em cachoeira de Lages é concluída

A investigação sobre as mortes das amigas Bruna Vellasquez e Monique Medeiros, de 19 anos, após caírem de uma altura de 30 metros em uma cachoeira de Lages, na Serra catarinense, foi concluída pela Polícia Civil.

O caso aconteceu no dia 13 de setembro, e segundo o delegado responsável pelas investigações, Raphael Belinatti, tratou-se de um acidente. A queda ocorreu após as vítimas terem se dirigido até a parte superior da cachoeira para tirar fotos.

Monique Medeiros(esq,.) e Bruna Vellasquez – Foto: Instagram/Reprodução

“As meninas teriam ido até a metade do rio, na queda da cachoeira, na parte superior. No momento de retornarem, uma delas teria escorregado, e a outra na tentativa de salvá-la, teria segurado pelo braço e sido puxada, momento em que as duas caíram juntas no meio das pedras”, explica o delegado.

Ainda de acordo com Raphael Belinatti, as vítimas estavam acompanhadas de amigos no momento do acidente, e haviam outras pessoas presentes na parte superior da cachoeira.

No entanto, o acesso ao local é proibido. “[O lugar] é bastante procurado para registros fotográficos pois a paisagem é muito bonita. Mas as pessoas tiram pela parte inferior da cachoeira, e na oportunidade elas estavam na parte de cima. Para tanto, elas teriam ingressado por áreas de acesso proibido, passaram por terrenos particulares, inclusive uma das propriedades é da Celesc”, disse o delegado.

O inquérito policial foi concluído na última semana. Ele foi enviado à justiça, portanto, sem indiciamentos.

“Todas as testemunhas foram ouvidas. Não houve indiciamentos porque concluímos não ter havido responsabilidade de ninguém em relação ao acidente, senão das próprias vítimas”, esclareceu Bellinati.

Segundo ele, existem placas de aviso e barreiras no local, e não há ninguém a ser responsabilizado.

“A responsabilidade fica por conta de cada pessoa que se coloca em risco, considerando que o acesso é por propriedades particulares. São colocadas porteiras, cercas, placas de aviso e sinalização, então não tem como o proprietário ser responsabilizado, tampouco o Estado. Locais perigosos existem. Não é como se fosse um local explorado para o turismo, por exemplo, ou um roteiro, uma trilha com um guia, algo do tipo”, conclui o delegado.

Relembre o episódio

As jovens sofreram uma queda de aproximadamente 30 metros de altura em uma cachoeira no rio Caveiras, em Lages, em um domingo, dia 13 de setembro deste ano.

O helicóptero Águia 4, da Polícia Militar, e equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) realizaram o resgate das vítimas, que não resistiram aos ferimentos.

Jovens morreram após caírem em cachoeira em Lages – Foto: Águia PM/Reprodução

No primeiro momento das buscas, Bruna Vellasquez foi encontrada morta. Porém, Monique Medeiros foi localizada com vida, com a suspeita de traumatismo craniano encefálico.

Monique foi estabilizada e retirada do local pela equipe do Águia 4, com um equipamento conhecido como “maca de ribanceira”.

Depois de ser levada para um lugar seguro, ela foi conduzida até o Hospital Nossa Senhora dos Prazeres, em Lages. No entanto, ela não resistiu aos ferimentos e morreu no mesmo dia.

O corpo de Bruna Velasquez foi resgatado pelo Corpo de Bombeiros Militar com apoio de tripulantes operacionais multimissão, no período da noite.

Veja o vídeo do resgate:


https://static.ndonline.com.br/2020/09/WhatsApp-Video-2020-09-14-at-11.07.10-AM.mp4https://vou.leraqui.net/wp-content/uploads/2020/10/WhatsApp-Video-2020-09-14-at-11.07.10-AM.mp4
Tags , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”