Justiça eleitoral indefere candidatura de Filipe Sabará à Prefeitura de SP


Decisão em primeira instância acontece após desistência da vice Marina Helena em disputar a eleição. Cabe recurso. Sabará foi expulsão do partido Novo após processo em comissão de ética apontar supostas inconsistências em seu currículo. O candidato à prefeitura de São Paulo, Filipe Sabará, durante debate
Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo
O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) indeferiu na noite deste domingo (25) a candidatura de Filipe Sabará à Prefeitura de São Paulo. A decisão acontece após a candidata a vice em sua chapa, Marina Helena (Novo), desistir de concorrer à disputa nessas eleições e o partido Novo não indicar substituto em seu lugar. Cabe recurso à decisão.
O G1 procurou Sabará às 23h30 deste domingo para comentar o caso e incluirá o posicionamento quando tiver retorno.
“Procedi à alteração do resultado do julgamento do presente Requerimento de Registro de Candidatura – RRC de ‘Deferido com recurso’ para ‘Indeferido’, tendo em vista a decisão proferida nos autos nº 0600556-20.2020.6.26.0001 (ID nº 21507606) que homologou a renúncia da candidata ao cargo de Vice-Prefeita da Chapa Majoritária”, diz a certidão.
A candidata a vice na chapa de Filipe Sabará, Marina Helena (Novo), anunciou no sábado (24) que desistiu da candidatura. Sabará foi expulso do partido Novo na última quarta-feira (21), mas afirmou na ocasião que continuaria na disputa.
“Eu me dediquei de corpo e alma nos últimos oito meses a estudar São Paulo e encontrar soluções reais para a cidade. Infelizmente, dado os últimos acontecimentos, eu não vejo mais ser possível implementar essa agenda e por isso eu renuncio à minha candidatura à vice-prefeitura”, disse Marina em vídeo publicado em sua conta no Instagram.
Marina também citou os desentendimentos entre Sabará e o partido. O candidato afirma ser alvo de perseguição interna pelo fundador do Novo, João Amoedo.

“Eu queria deixar um agradecimento muito especial ao Felipe Sabará e ao partido Novo. Eu sei que nesses últimos tempos existem diferenças entre eles, mas sei que eles compartilham o mesmo propósito que me trouxe à política, que é transformar a vida das pessoas através de valores liberais e do combate à corrupção”, disse ela na rede social.
Após o anúncio de Marina, o Diretório Municipal do Novo decidiu em reunião neste sábado (24) não indicar uma nova pessoa para substituí-la como vice, e pediu a retirada do nome/número dos candidatos da urna eletrônica.
Expulsão de Sabará
O Partido Novo decidiu na quarta-feira (21) expulsar da legenda o candidato à Prefeitura de São Paulo, Filipe Sabará. A decisão ocorreu após processo administrativo aberto pela Comissão de Ética Partidária por supostas inconsistências no seu currículo. Ao G1, Sabará afirmou na ocasião que continuaria com a campanha e diz ser alvo de perseguição interna do partido.
A decisão da expulsão foi comunicada pelo Diretório Nacional do Novo em documento enviado a filiados. O partido afirma que, embora o candidato ainda possa enviar recurso, ele não terá efeito para suspender a expulsão.
“Filipe Sabará está oficialmente expulso e não pertence mais ao quadro de filiados do Novo”, diz o texto. (Leia a íntegra abaixo)
Quando a análise na comissão de ética foi aberta, o partido já havia suspendido temporariamente os direitos de filiação de Sabará, mas o candidato conseguiu na Justiça Eleitoral uma liminar para continuar com a campanha.
“Eu já esperava [a expulsão] porque desde o começo dessa perseguição comigo, eles ficam criando várias coisas. Primeiro foi o negócio do Maluf, depois vem falar do meu currículo. Denúncias totalmente descabidas, até porque eu fui analisado no processo seletivo do próprio partido. E aí depois que o [João] Amoedo resolveu ficar bravo comigo, começaram essas histórias”, afirmou Sabará nesta quarta.
Sabará disse que continua candidato, amparado por uma decisão do TSE que o autorizou a manter a campanha quando o Novo suspendeu seus direitos de filiação. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP) afirmou que Sabará ainda segue candidato, apesar do pedido de registro da candidatura dele “estar no prazo para recurso na Justiça Eleitoral”.
“Eu fui à Justiça e ganhei, então hoje eu tenho uma liminar do TSE. Mesmo expulso eu continuo candidato. Tenho a candidatura homologada, deferida pelo TRE, pelo TSE, vou continuar. A Justiça tem que ser maior que o partido. Eles deviam respeitar pelo menos a lei, já que não respeitam os próprios candidatos”, afirmou.
Em comunicado enviado à imprensa, Sabará informou que vai “até as últimas consequências para que todos saibam a verdade” sobre a expulsão dele da legenda.
“João Amoedo e seus “capangas” pegaram uma pessoa honesta pela frente que não vai aceitar injustiças e que vai até as últimas consequências para que todos saibam a verdade”, afirmou o candidato (veja íntegra abaixo).
João Amoêdo, fundador do partido Novo.
Carlinhos Brasil/ Rede Vanguarda
Currículo
O processo na comissão de ética do partido foi aberto após a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) desmentir a informação que era divulgada pela campanha de Sabará de que o candidato cursava pós-graduação em Gerência de Cidades na instituição.
Segundo a FAAP, Sabará cursou apenas um semestre do curso de Relações Internacionais na entidade, em 2003. Procurada na ocasião, a assessoria de imprensa de Sabará afirmou que “ele nunca falou que se formou na FAAP”.
“Ele fez algumas matérias lá e usou o crédito para se formar na Faculdade de São Paulo. Não sabemos [de onde surgiu a informação]”, afirmou a assessoria do candidato.
Veja o comunicado do Diretório Nacional do Novo:
“O Diretório Nacional informa ao Diretório Municipal e aos filiados da cidade de São Paulo que foi comunicado pela Comissão de Ética Partidária (CEP) da sua decisão, por unanimidade, pela expulsão de Filipe Sabará, referente ao Processo Administrativo Disciplinar PAD (2020/014), que tratou de inconsistências em seu currículo.
Conforme Resolução Interna de nº 31, fica estabelecido o prazo de 10 dias corridos a partir da presente data para apresentação de recurso ao Diretório Nacional. O recurso não tem efeito suspensivo da decisão, de forma que Filipe Sabará está oficialmente expulso e não pertence mais ao quadro de filiados do NOVO.
Todo o rito processual seguiu rigorosamente os prazos e procedimentos previstos em nosso estatuto e na resolução que regulamenta os processos da CEP.
O Diretório Nacional reitera sua confiança nas decisões da CEP, sua transparência com o processo e o respeito à ampla defesa do denunciado.”
Veja o comunicado do candidato Filipe Sabará:
“Infelizmente o Partido NOVO tem um fundador, e “ex” Presidente que se considera ser seu “dono”. João Amoedo, continua mandando no Diretório Nacional do Partido e na suposta “Comissão de Ética” e não respeita opiniões diversas e nem mesmo a lei. Uma pena, pois existem pessoas muito boas no Partido NOVO. Por ter elogiado algumas medidas do Presidente Bolsonaro e boas ações do governo federal, a tal da CEP (comissão de ética do Partido) totalmente ligada ao Amoedo, criou situações e “aceitou” denúncias (TODAS FALSAS) para me retirar do Partido. Como NINGUÉM ESTÁ ACIMA DA LEI, muito menos o João Amoedo, já recorri e ganhei na justiça em diversas instâncias: no TRE, o deferimento da candidatura e no TSE, liminar que também possibilita continuar a candidatura. Dessa vez, João Amoedo e seus “capangas” pegaram uma pessoa honesta pela frente que não vai aceitar injustiças e que vai até as últimas consequências para que todos saibam a verdade. Meu propósito de servir as pessoas de São Paulo segue firme e inabalável, com os ataques que forem. Não recuarei em hipótese alguma”.
VÍDEOS: Quem são os candidatos à Prefeitura de SP
Em comunicado enviado à imprensa, Sabará informou que vai “até as últimas consequências para que todos saibam a verdade” sobre a expulsão o
Initial plugin text

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.