Ministério Público investiga irregularidades no serviço de alimentação de Pronto-Socorro da Criança em Manaus


Alimentos para consumo armazenados sem higienização, em contato com chão, e ao lado de amostras coletadas foram constatados em vistoria. Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste de Manaus.
Patrick Marques/G1 AM
O Ministério Público do Amazonas (MPAM) instaurou, na terça-feira (13), um procedimento preparatório para apurar irregularidades no serviço de alimentação e nutrição do Hospital e Pronto-Socorro da Criança da Zona Leste, Doutor João Lúcio Pereira Machado.
O procedimento deve investigar o armazenamento de alimentos e a estrutura do hospital. A medida acontece após uma vistoria do Conselho Regional de Nutricionistas do Amazonas apontar, em relatório, uma série de irregularidades em relação à estrutura física do Setor de Nutrição das condições higiênico sanitárias na manipulação e armazenamento de alimentos do hospital.
0 serviço de alimentação é terceirizado para a empresa Nutribeni Comércio de Produtos Alimentícios Eireli, que fornece, em média, 500 refeições diárias para pacientes, acompanhantes e funcionários.
Dentre as irregularidades apontadas, estão:
alimentos para consumo armazenados sem a devida higienização;
alimentos em contato com o chão,
alimentos ao lado de amostras coletadas;
pisos e tetos sem o adequado estado de conservação;
lavatórios na área de produção, próximo aos fogões;
lixeiras abertas na área de produção de alimentos e na área de higienização dos utensílios, entre outras.
O G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), mas até o momento não obteve resposta.
Agora é assim? As mudanças na saúde e no comportamento após a pandemia
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”