Moradores fazem manifestação contra a Vale após mineradora identificar trincas no que restou da barragem em Brumadinho


Eles reclamam de falta de diálogo com a empresa sobre obras de reparação. Mineradora disse que ‘respeita a livre manifestação’. Moradores fizeram manifestação contra a Vale em Brumadinho neste sábado (17)
Guilherme Morais/Arquivo pessoal
Moradores do bairro Soares, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, fizeram uma manifestação, na manhã deste sábado (17), contra a Vale. Eles reclamam da “possível instabilidade em estrutura que sobrou da barragem” e da falta de diálogo com a empresa sobre as obras de reparação.
A Vale informou, na quinta-feira, que identificou duas trincas no material remanescente da barragem B1 (veja na foto abaixo). A estrutura se rompeu em janeiro de 2019, deixando 259 mortos e 11 desaparecidos.
16/10/2020- Trinca na Barragem B1 da Vale, em Brumadinho
Danilo Girundi/TV Globo
De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fato não teve impacto nas buscas, que seguiram com cerca de 50 militares. Nesta sexta-feira (16), também houve protesto na cidade.
Os manifestantes do bairro Soares pedem o reconhecimento de que também foram atingidos pelo rompimento da barragem e querem ter direito a 100% do auxílio emergencial pago pela mineradora.
Segundo o morador Guilherme Morais, a manifestação foi encerrada por volta das 11h30, depois que uma reunião foi agendada com a empresa.
Protesto em Brumadinho contra a Vale
Guilherme Morais/Arquivo pessoal
Sobre as trincas, a Vale disse que “não há necessidade de evacuação dos moradores das comunidades vizinhas, uma vez que essas áreas permanecem em segurança”. A mineradora afirmou ainda que “respeita a livre manifestação desde que observado o direito de ir e vir e a propriedade”.
Nota da Vale na íntegra:
“A Vale respeita a livre manifestação desde que observado o direito de ir e vir e a propriedade, repudiando qualquer manifestação que viole tais direitos. Além disso, destaca que realiza encontros regulares com representantes legítimos dos atingidos pelo rompimento da barragem I, em Brumadinho, visando uma reparação célere e respeitosa.
A Vale está comprometida em indenizar as pessoas de forma justa e célere e, portanto, faz o pagamento emergencial mensal a mais de 106 mil moradores de Brumadinho e regiões localizadas até 1 km do leito do rio Paraopeba até a cidade de Pompéu para que possam ter segurança financeira para negociar as indenizações individuais com tranquilidade.
O pagamento emergencial de até um salário mínimo é concedido pela Vale, em acordo judicial homologado em fevereiro de 2019, e com base no Termo de Acordo Preliminar (TAP), firmado com os órgãos de Justiça competentes, prorrogado até outubro.
A Vale está analisando a proposta de renovação apresentada pelo Ministério Público Estadual e Defensoria Pública de Minas Gerais e se manifestará dentro do prazo estipulado pela Justiça”.
Vídeos mais vistos do G1 MG nos últimos 7 dias:
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.