Mulher é morta com quatro tiros dentro de casa em Camboriú

Santa Catarina registrou mais morte por conta da violência doméstica na noite de domingo (27). Desta vez, o crime ocorreu em Camboriú, no Litoral Norte do Estado. A vítima, uma mulher 29 anos, foi executada com quatro tiros na cabeça. O namorado dela, de 35 anos, é o principal suspeito.

Namorado da vítima, de 35 anos, é o principal suspeito. Foto: Reprodução/Redes Sociais

O crime ocorreu dentro de casa da mulher, na Rua Tereza Evangelista Gonçalves, no bairro Tabuleiro, por volta das 20h. De acordo com a Polícia Civil, o homem que não teve a identidade divulgada chegou no local em um carro Volvo, na cor preta, pulou o muro da residência e disparou os tiros. Ele fugiu do local logo depois.

Responsável pelas investigações, o delegado Gustavo Reis, ouvirá nesta segunda-feira (28) algumas testemunhas. Vizinhos e familiares da vítima e do suspeito vão até a delegacia prestar depoimento nesta tarde.

A dinâmica, motivação e detalhes do crime não foram divulgados pela polícia, mas o caso é investigado como feminicídio, já que condição de gênero teria sido determinante no caso.

“A gente está apurando melhor as informações. Já foi instaurado o inquérito, mas está muito recente ainda. A gente vai começar a ouvir as testemunhas hoje [..] na semana vou ter mais informações”, disse Reis.

Pelas redes sociais, moradores informaram que filha da vítima viu a cena. Polícias Civil e Militar não confirmam

Polícia investiga se criança viu crime

No local do crime, testemunhas teriam dito que uma criança com síndrome de down, que morava na casa, viu a cena a cena. Nas redes sociais, a informação foi replicada. A Polícia Civil investiga o fato.

Nesta manhã, o capitão Rafael Zancanaro, do 12º Batalhão de Polícia Militar, não confirmou a informação. “Não é verdade”, disse o policial ao ser questionado.

“Algumas testemunhas disseram que viram uma criança no local. À princípio, era a filha da vítima de sete anos”, disse o delegado Reis.

Feminicídios na cidade

Em 2020, ao menos duas outras mulheres foram vítimas de feminicídio em Camboriú. O primeiro crime ocorreu em abril, quando um policial militar aposentado matou a ex-companheira e depois se suicidou. Neiva Mendes, de 54 anos, morreu na hora.

Em julho, Leonice Alexandrina Teixeira Bechtold também foi vítima de um crime praticado contra o ex-companheiro. Após fazer as malas para deixar a casa que dividia com Ricardo Ralf, 34 anos, ela foi morta com dois tiros na cabeça pelo homem. Seu executor também se suicidou após o crime.

Leia também:

  • As soluções: combate ao feminicídio vai além da legislação e depende da sociedade
  • SC registra o maior número de feminicídios dos últimos três anos
  • Leia a reportagem completa Feridas abertas do feminicídio
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”