Ocupação dos leitos de UTI exclusivos para Covid-19 permanece em 70% nos hospitais estaduais do Alto Tietê


Região conta com 28 leitos de UTI da rede estadual para a doença, distribuídos em três hospitais. Sars CoV-2, o causador da Covid-19
Getty Images via BBC
Nesta quarta-feira (18) os hospitais estaduais do Alto Tietê voltaram a registrar 70% de ocupação nos leitos de terapia intensiva (UTI) destinados aos pacientes em tratamento da Covid-19. O índice divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde já havia sido registrado na terça-feira (17).
Ao todo, a região conta com 28 leitos de UTI exclusivos para casos de coronavírus. Eles estão distribuídos nos hospitais Santa Marcelina, de Itaquaquecetuba, Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, e Regional de Ferraz de Vasconcelos.
Média de ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 em hospitais estaduais do Alto Tietê volta a superar 70%
Secretaria de Saúde do Estado volta a reduzir leitos de UTI para pacientes com a Covid-19 no Alto Tietê; queda é de 50% em comparação a junho
Desde o pico da pandemia, número de leitos exclusivos para Covid-19 do Alto Tietê caiu 69,3%; especialista afirma que gestores precisam ter cautela
O primeiro, que opera atualmente com dois leitos de UTI, foi o que registrou o maior índice: 100% de ocupação. A unidade também conta com 16 leitos de enfermaria.
Na sequência está o Hospital Luzia de Pinho Melo, que possui 23 leitos de enfermaria e 10 de UTI. A taxa de ocupação registrada na terapia intensiva foi de 70%.
Já o Hospital Regional de Ferraz obteve a taxa mais baixa. Na unidade são 12 leitos de enfermaria e 16 de UTI, dos quais 41% estavam ocupados.
A Secretaria lembra que essas taxas variam no decorrer do dia em virtude de fatores como altas, óbitos ou transferências para leitos de enfermaria ou UTI, por exemplo. Também pode ocorrer redirecionamento de leitos para atendimento a pacientes com outras patologias à medida que há menor demanda de casos do coronavírus.
A pasta destaca, ainda, que mantém um esquema especial de gestão de leitos hospitalares, para dar prioridade à internação de pacientes com quadros respiratórios agudos e graves.
Agora é assim?
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.