parceria-entre-brde-e-agencia-francesa-de-desenvolvimento-viabiliza-projetos-sustentaveis

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) assinou, em evento virtual nesta terça-feira (11/8), o segundo contrato de financiamento com Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), no valor de 70 milhões de euros – cerca de R$ 425 milhões. Os recursos serão destinados a projetos alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas (ONU) na Agenda 2030 dos três Estados do Sul.

Presente na cerimônia, o governador Eduardo Leite destacou que a medida se soma às ações de desenvolvimento econômico que estão sendo realizadas no Rio Grande do Sul.

“Aqui no RS temos investimentos em projetos pioneiros e sustentáveis. Essa nova parceria vai possibilitar novos financiamentos de alto impacto social e ambiental através do nosso BRDE, consolidando a nossa carteira verde, social e sustentável no RS e viabilizando investimentos privados conectados com essa visão de responsabilidade com próximas gerações”, afirmou Leite.

Também participaram da assinatura o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés; o vice-governador do Paraná, Darci Piana; o diretor da AFD no Brasil, Philippe Orliange; Olivier da Silva, encarregado de Negócios da Embaixada da França; o diretor-presidente do BRDE, Luiz Corrêa Noronha; Wilson Bley Lipski, vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, e Marcelo Haendchen Dutra, diretor Financeiro do BRDE.

De acordo com o diretor-presidente do BRDE, o primeiro contrato, assinado em 2019, previa 50 milhões de euros a serem executados até 2021. Em dois anos, afirma, quase todo o valor já foi empregado, o que levou a essa segunda etapa com a AFD.

“Inovamos na primeira linha de crédito ao focar em empreendimentos sustentáveis e, agora, evoluímos, não só no valor, que subiu para 70 milhões de euros, mas também mantendo investimentos sustentáveis que sejam aderentes aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Além disso, priorizamos as áreas de saúde, educação e patrimônio cultural”, destacou Noronha.