‘Pediu para que falasse aos filhos que ela os amava’, diz amiga sobre últimas palavras de brasileira morta em ataque na França


Nascida em Salvador, Simone Barreto tinha nacionalidade francesa e formação de cozinheira. Atualmente trabalhava também como cuidadora de idosos. Ela estava na França desde 1995. Baiana morre em atentado terrorista ocorrido em basílica na cidade de Nice, na França
“Ela foi até o restaurante e chegando lá ela pediu socorro e pediu para que falassem para os filhos dela que ela os amava”. Quem conta as últimas palavras da brasileira Simone Barreto – uma das vítimas do atentado terrorista na Basílica de Notre-Dame de Nice, na França – é uma amiga de longas datas.
Saiba mais sobre o atentado terrorista em Nice, na França
‘Dizia que estava gostando’, conta amiga de brasileira morta em ataque sobre cartão enviado em 1995
Brasileira morta em ataque na França tinha o sonho de viajar o mundo com food truck
Ivana Pelmard, que também é brasileira e mora no país europeu, conhecia Simone há 25 anos. Ela disse ainda que, além das palavras carinhosas aos três filhos, a amiga também contribuiu para que mais pessoas não fossem vítimas do atentado.
“Ela saiu correndo da igreja, pedindo socorro. Justamente essa ação dela foi o que possibilitou os policiais pegarem o criminoso”.
As duas amigas se conheceram em 1995, quando foram para a França para trabalhar em um grupo de dança onde a irmã de Simone fazia direção de arte. Ivana conta que a principal marca de Simone era o bom humor.
“Nós nos conhecemos em 1995. Nós íamos juntas para Nice, não para Paris, para trabalhar como dançarinas no grupo onde a irmã dela é diretora artística. Eu não lembro de já ter visto Simone triste, Simone emburrada, mau humorada. [Ela estava] Sempre alegre, sempre sorridente, sempre brincalhona, muito brincalhona. E de bem com a vida, sempre de bem com a vida”.
“Ela passava por cima de todos os problemas com um sorriso, com as brincadeiras, porque ela era muito brincalhona”.
Quando ainda morava na Bahia, Simone Barreto vivia no bairro do Lobato, em Salvador. Ela tinha nacionalidade francesa e também atuava como cuidadora de idosos. A brasileira tinha formação de cozinheira e demonstrava amor pela gastronomia.
Ivana pediu justiça pela morte de Simone, para que ela não seja mais uma vítima esquecida de um atentado terrorista.
“Que não fique em vão, que não seja mais uma vítima de um atentado. Hoje foi Simone, uma brasileira, baiana, mãe, filha, irmã, amiga. Mas amanhã pode ser Joana, Beltrana. Então que não fique assim. Vamos acabar com isso. Acho que já está na hora, já chega. Já chega de tanta gente inocente morrer por uma causa que dizem que é em nome de Deus. Porque não é em nome de Deus”, disse.
Enterro
Luto: Familiares e amigos falam sobre a baiana morta em atentado terrorista na França
O atentado aconteceu na quinta-feira (29). O corpo de Simone deve ser liberado ainda nesta sexta (30). A família informou que ainda não sabe se ela será enterrada na França ou na Bahia.
Uma das irmãs de Simone, a Solange, disse que caso haja ajuda do governo brasileiro, no traslado do corpo e da família para o Brasil, o enterro deve ser feito em Salvador.
Os familiares contaram ainda que Simone não visitava a Bahia havia cerca de 7 anos, mas mantinha contato com amigos e familiares.
Simone deixou o Brasil aos 19 anos para participar de um grupo de dança dirigido por uma das irmãs. Ela deixa três filhos, de 15, 10 e 6 anos. O mais velho é um adolescente, fruto do relacionamento com um francês. Todos os filhos de Simone nasceram na França. Os pais dela já são falecidos.
Repercussão
Simone Barreto Silva morreu no ataque à basílica de Nice, na França
Reprodução/Facebook/Simone Barreto Silva
O Itamaraty divulgou uma nota oficial na qual repudia o ataque e lamenta a morte da brasileira. O texto diz que “o presidente Jair Bolsonaro, em nome de toda a nação brasileira, apresenta suas profundas condolências aos familiares e amigos da cidadã assassinada em Nice, bem como aos das demais vítimas, e estende sua solidariedade ao povo e governo franceses”.
O Itamaraty informou ainda que, por meio do Consulado-Geral em Paris, “presta assistência consular à família da cidadã brasileira vítima do ataque terrorista”.
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se manifestou em seu perfil em uma rede social. “Profundo pesar pela morte de uma brasileira de 44 anos, mãe de três filhos, ocorrida hoje em Nice, na França, uma das três vítimas fatais do brutal atentado cometido por um terrorista na Basílica de Nossa Senhora”, escreveu.
O governador da Bahia usou as redes sociais para se solidarizar com a morte de Simone. “Triste e indignado. Que Deus conforte familiares e amigos de Simone e das outras vítimas desse crime bárbaro. Solidariedade à França e ao mundo que defende o amor e a paz”, contou.
O prefeito de Salvador, ACM Neto, também falou sobre a morte da mulher. No perfil oficial, ele disse: “Fica a nossa imensa consternação diante desse crime bárbaro, condenado por todos os líderes mundiais, com os quais nos uniremos agora, na certeza de que o bom senso, a razão e a lucidez irão subjugar a irracionalidade, o fanatismo e a intolerância religiosa”.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.
Assista aos vídeos do Bahia Meio Dia
Ouça ‘O Assunto’
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.