Pesquisadores da UFU são destaque em revista científica com trabalho sobre os mecanismos de infecção da Toxoplasmose congênita


Trabalho desenvolvido pelo Instituto René Rachou e UFMG teve início em 2006 com apoio da UFU, UFTM e Secretaria de Estado da Saúde. Ciclo da Toxoplasmose congênita
Arquivo dos pesquisadores UFU/Divulgação
Uma pesquisa sobre toxoplasmose desenvolvida por quatro instituições mineiras, entre elas a Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), foi publicada, no dia 7 de outubro, na revista Scientific Reports, do grupo Nature.
Com o título em português “Biomarcadores putativos para diagnóstico e prognóstico precoce de toxoplasmose ocular congênita”, o artigo relaciona possíveis biomarcadores que indicam infecção em bebês, presença de lesão ocular e o tipo de lesão.
Em medicina, biomarcadores ou marcadores biológicos são entidades que podem ser medidas experimentalmente e indicam a ocorrência de uma determinada função normal ou patológica de um organismo ou uma resposta a um agente farmacológico.
Os biomarcadores podem ser de diversos tipos, como, fisiológicos (funções de órgãos), físicos (alterações características em estruturas biológicas), histológicos (amostras de tecido obtidas por biopsia) e anatómicos.
A pesquisa
A pesquisa foi desenvolvida pelo Instituto René Rachou (Fiocruz Minas) e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais, e teve colaboração de pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).
A coleta de dados para a pesquisa teve início em 2006, com bebês recém-nascidos em Minas Gerais. Através de análises estatísticas, o grupo de pesquisadores elencou possíveis biomarcadores que indicam a infecção do bebê, a presença de lesão ocular e o tipo da lesão – ativa ou cicatrizada.
Os resultados foram obtidos a partir do estudo da resposta adaptativa celular, que envolve a ação de células como linfócitos T, quimiocinas e citocinas.
Importância
A proposta do trabalho é enfatizar a importância do estudo da resposta imune celular para um melhor entendimento dos mecanismos de infecção da Toxoplasmose congênita.
A doutoranda Thádia de Araújo, do Programa de Pós-Graduação em Imunologia e Parasitologia Aplicadas (PPIPA/UFU), fez parte do grupo que desenvolveu o artigo. A pesquisadora comentou sobre a importância de haver estudos sobre o tema, mesmo não sendo uma parasitose descoberta recentemente, pois ainda existem vários desafios a serem enfrentados, especialmente em relação a Toxoplasmose congênita.
“Nosso trabalho pode ajudar futuramente na avaliação clínica dos pacientes que apresentarem diagnóstico duvidoso, e também ajudar na monitoração dos pacientes durante o tratamento”, disse.
A pesquisa conta com fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”