Polícia Civil e IMA realizam novas diligências em abatedouro clandestino em Guarani


Segundo delegado responsável pelo caso, José Luiz Quintão, carne de cavalos, éguas e burros era comercializada como se fosse bovina. Novas diligências realizadas em local usado como abatedouro clandestino em Guarani
Polícia Civil/Divulgação
A Polícia Civil e o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) realizam nesta terça-feira uma nova diligência na zona rural de Guarani. A ação é um desdobramento da realizada no mês passado, que identificou um abatedouro clandestino em uma fazenda.
De acordo com o delegado José Luiz Quintão, da Delegacia de Crimes Rurais do Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), nesta ocasião, os fiscais do IMA averiguaram o gado interditado, por ter sido flagrado se alimentando com cama de frango.
Gado foi interditado em Guarani por ser flagrado se alimentando com cama de frango
Polícia Civil/Divulgação
Os mais de 50 animais serão abatidos futuramente durante nova ação do IMA, tendo em vista que o alimento que era fornecido a eles torna a carne imprópria para o consumo humano. Os policiais registraram outros rebanhos na propriedade, cuja procedência será objeto de continuidade das investigações.
A suspeita é de que animais eram abatidos em condições impróprias para o consumo humano e descartados em desacordo com a legislação ambiental e sanitária.
As investigações apontam ainda que a carne de cavalos, éguas e burros era comercializada como bovina. A carne dos animais abatidos era revendida para açougues na cidade, trazendo perigos à saúde da população.
A Polícia Civil ainda vai verificar ao longo das investigações os açougues que receberam a mercadoria vinda do abatedouro para apurar a procedência dos animais.
Primeira fase
Polícia Civil identifica abatedouro clandestino em Guarani
Polícia Civil/Divulgação
Na operação realizada no mês de agosto, a Polícia Civil identificou um abatedouro clandestino em uma fazenda no município de Guarani.
Em coletiva de imprensa, o delegado José Luiz Quintão explicou que as investigações começaram como apuração de um roubo e furto de bois e cavalos na região.
Foram cumpridos mandados de busca e apreensão, com o apoio da Polícia Militar do Meio Ambiente e do IMA, que interditou os pontos de abate e acondicionamento insalubre.
Na fazenda, os agentes encontraram diversos ossos e carcaças de animais, enterradas em covas ou despejadas sobre vegetações ou rios, inclusive em locais de preservação permanente.
Na ocasião, três funcionários foram interrogados e o proprietário da fazenda não estava presente e não havia sido localizado.
Possíveis suspeitos poderão responder por crimes como maus-tratos de animais, falta de licenciamento ambiental, poluição ambiental e furto e roubo de animais. As penas somadas ultrapassam 15 anos de prisão.
Local de acondicionamento das carnes também eram impróprio
Polícia Civil/Divulgação
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”