Polícia Federal cumpre mandados de Busca na Casa do Governador Moisés

Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (30), viaturas da Polícia Federal e Procuradoria Geral da República estiveram na Casa D’Agronômica, residência oficial do governador do estado Carlos Moisés (PSL), em Florianópolis. O objetivo foi o cumprimento de mandados de Busca e Apreensão solicitados pelo Ministério Público Federal (MPF) e autorizadas pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

No total estão sendo cumpridos cinco mandados, não só na Casa D’Agronômica, mas também no Centro Administrativo, na avenida SC-401, onde funcionam diversas secretarias e também o gabinete de trabalho do Governador. Além de Moisés, os alvos são outros dois integrantes do Governo, que ainda não tiveram seus nomes revelados. No total atuam na ação 30 policiais.

A ação tem ligação com a investigação sobre o desvio de R$ 33 milhões que deveriam ser aplicadas no compra de respiradores hospitalares, porém, os equipamentos não foram entregues. Do valor, apenas R$ 11 milhões foram recuperados através de ação do Gaeco, Ministério Público Estadual.

A investigação iniciou na Justiça Estadual, porém, como apareceram indícios envolvendo o governador e seu nome chegou a ser citado em mensagens entre os envolvidos, o caso subiu para o STJ. Esta foi a primeira vez na história em que a Casa do governador foi alvo de uma operação da PF.

Com as medidas, os investigadores buscam provas da relação entre o governador, sua equipe e empresários que venderam 200 respiradores ao estado de Santa Catarina. As investigações revelaram indícios de participação do chefe do Executivo estadual na contratação da empresa Veigamed.

Ao STJ, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo afirma que as buscas são necessárias para aprofundar as investigações e para verificar se a ordem de pagamento antecipado partiu do governador Carlos Moisés. Para o MPF, há elementos que demonstram a constituição de um esquema criminoso de desvio de dinheiro público. Além disso, os investigadores apuram se houve lavagem de dinheiro decorrente da prática do crime antecedente contra a administração pública, mediante ocultação e distanciamento da origem dos recursos públicos desviados da compra de respiradores.

Segundo Londôra, tais delitos comprometem a higidez e a credibilidade do governo do estado de Santa Catarina e põe em risco a saúde e a vida de toda a população catarinense, acometida dos males decorrentes do covid-19.

– Além do mais, não se está a tratar de caso relacionado a criminalidade corriqueira, mas sim de fatos praticados em contexto de suposta criminalidade organizada, sofisticada e estruturada com os mais altos aparatos de poder, contando com a articulação de agentes com poder econômico, elevado conhecimento jurídico, forte influência política e, inclusive, a autoridade máxima do Poder Executivo catarinense -, completou ela.

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”