Portal reúne dados e informações sobre mulheres do Distrito federal

 

Uma plataforma com estatísticas e informações atualizadas sobre a realidade das mulheres no Distrito Federal foi lançada nesta segunda-feira (29) pelo Governo do Distrito Federal (GDF). O Observatório da Mulher traz cerca de 50 gráficos com dados referentes à segurança pública, saúde, educação e assistência social.

Segundo o GDF, o portal servirá de base para o desenvolvimento de políticas públicas integradas voltadas para mulheres envolvendo órgãos e secretarias do governo distrital. A ferramenta foi criada pela lei Lnº 11.340 de 2006, e é resultado de uma ação integrada por departamentos e secretarias públicas distritais.

O portal fornece informações essenciais sobre direitos e legislações referentes ao universo feminino, como resumos da Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio, além de links e notícias relacionadas à desigualdade de gênero e violência. O site também oferece várias maneiras de comunicar agressões, como o Disque Denúncia da Polícia Civil (197) e a Central de Atendimento à Mulher (180), que contam com equipes especializadas em atender mulheres em situação de risco.

O Observatório também tem estatísticas da participação feminina nos programas elaborados pela Secretaria da Mulher para incentivo ao empreendedorismo e à autonomia econômica. O portal terá produção de diagnósticos qualificados sobre a situação da mulher, a implementação e avaliação de políticas públicas para as mulheres e a padronização da coleta, análise e divulgação dos dados e informações públicas.

Com a ferramenta será possível traçar o panorama da realidade feminina durante a pandemia de covid-19. Os dados mostram a quantidade de mulheres diagnosticadas com o novo coronavírus, além da distribuição de casos por região administrativa do DF, estado de origem dos casos em tratamento, notificações de violência e taxa de fecundidade das moradoras do Distrito Federal.

O Observatório da Mulher conta, ainda, com o e-mail observatoriodamulher@mulher.df.gov.br para receber dúvidas, críticas e sugestões de dados ou informações que possam contribuir para a diminuição dos casos de violência e de violação de direitos femininos.

Com Agências