Professora chega a final de concurso nacional com projeto sobre rap e hip-hop: ‘Reconhecimento’


Pesquisa em Jundiaí (SP) foi desenvolvida no ano passado, em conjunto com alunos da Educação para Jovens e Adultos (EJA). Alunos da Educação para Jovens e Adultos (EJA) de Jundiaí participaram dos estudos
Arquivo pessoal
Buscando trazer novas experiências para dentro da sala de aula, uma professora de Jundiaí (SP) resolveu incluir alunos da Educação para Jovens e Adultos (EJA) em um projeto que estuda o rap e o hip-hop. O sucesso foi tão grande que a turma foi selecionada para a final do 21º Prêmio Arte na Escola Cidadã.
Professora de arte, mestre em música e doutoranda em educação, Djenane Vieira conta ao G1 que o projeto, intitulado “Hip Hop na Escola: RAPensando a sociedade”, foi produzido no ano passado e já está entre os 20 selecionados do concurso, concorrendo com o Brasil todo.
“Existem muitas possibilidades de inserir a música em sala de aula. Eu já tinha esse projeto na ‘gaveta’ por um tempo, só aguardando uma turma que topasse fazer, pois muita gente tem preconceito. Essa turma é majoritariamente masculina, nem todos gostavam do gênero, mas, felizmente, todos toparam fazer. Discutimos muito em sala de aula”, explica.
Djenane Vieira é professora de arte, mestre em música e doutoranda em educação
Arquivo pessoal
Segundo Djenane, o trabalho contou com muita pesquisa e conteúdos literários. Como a professora estuda o gênero há algum tempo, levou bastante material que já tinha para que os alunos pudessem conhecer mais sobre a história do rap.
“Nós falamos bastante sobre a história do hip-hop e o movimento como um todo. As pessoas ouvem rap, mas nem todo mundo sabe a história por trás do movimento”, ressalta.
Durante a produção, o projeto também contou com a participação de profissionais do rap. Djenane explica que o contato com pessoas que vivem essa cultura contribuiu para as discussões em grupo feitas com os alunos.
Estudo teve como base os cantores Criolo e Emicida e o grupo Racionais
Arquivo pessoal
“Discutimos muito sobre as narrativas que o rap traz nas letras para a sociedade, como a realidade é narrada e como muitas vezes alguns alunos se reconheciam nas letras. Muitos deles falavam ‘olha, na minha rua acontecia isso’. Foi bem interessante”, pontua.
A professora utilizou como base de estudo os cantores Criolo e Emicida e o grupo Racionais. Além disso, os alunos tiveram a oportunidade de participar de oficinas de MC e DJ com alguns rappers de Jundiaí.
Alunos tiveram contato com pessoas que vivem a cultura hip-hop, como DJs e rappers
Arquivo pessoal
Prêmio Arte na Escola Cidadã
Realizado pelo Instituto Arte na Escola, o prêmio é voltado exclusivamente para professores de arte, conforme explica Djenane.
“É um prêmio nacional, qualquer professor de escolas públicas e privadas pode se inscrever. Foram 1.400 inscrições nesta edição. São várias etapas e, na última, na final, ficaram 20, que é onde estou agora com os meus alunos”, continua.
A premiação conta com cinco categorias: educação infantil, ensino fundamental 1, ensino fundamental 2, ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Material utilizado nos estudos foi levado pela própria professora, que estuda a cultura hip-hop há anos
Arquivo pessoal
Os professores premiados recebem R$ 10 mil e um certificado, além de poderem participar da cerimônia de premiação e de vivências culturais na cidade de São Paulo.
As escolas pelas quais os participantes produziram o projeto também recebem prêmios, sendo um computador e uma câmera digital. Além disso, cada professor vencedor tem seu projeto registrado em um documentário produzido pelo Instituto Arte na Escola.
“Já fiquei muito feliz de termos chegado até aqui. É um reconhecimento de um trabalho que já faço há muitos anos”, finaliza Djenane.
*Colaborou sob supervisão de Ana Paula Yabiku
Veja mais notícias da região no G1 Sorocaba e Jundiaí
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”