Professores fixam cruzes na Ponta Negra, em Manaus, em homenagem a profissionais da educação vítimas da Covid-19


Categoria relata que Dia do Professor deste ano é diferente, e “o sentimento de hoje é saudade”. Mais de 4,2 mil pessoas já morreram no estado com doença. Dia do Professor é marcado por protesto em Manaus
O Dia do Professor, comemorado nesta quinta (15), foi marcado por homenagem a profissionais da educação mortos pela Covid-19 em Manaus. Um grupo de professores fixou cruzes no Complexo Turístico da Ponta Negra com fotos de colegas que morreram com a doença.
Mais de 30 professores foram homenageados durante o ato. Em todo o Amazonas, até esta quarta (14), a doença já matou mais de 4,2 mil pessoas. O Amazonas foi o primeiro estado do País a reabrir escolas na pandemia.
O ato teve início por volta das 8h30 e cerca de 15 professores estiveram no local. Segundo a organização, a quantidade de professores na homenagem teve que ser restrita para evitar aglomeração.
Além da sala de aula, professores mudam formas de ensino durante pandemia; ‘Saímos da zona de conforto’, diz educadora
Testagem em massa já identificou 3.393 casos de Covid-19 em profissionais da educação no AM
Cruzes são fixadas com fotos de professores que morreram com Covid-19 em Manaus.
Eliana Nascimento/G1 AM
Feitos de pedaços de madeira, o grupo pregou cruzes, além de flores, em um gramado do calçadão junto a fotos de professores que foram vítimas da doença. Com um violão, músicas também foram cantadas pela categoria em homenagem aos colegas.
A professora Helma Sampaio contou ao G1 que, diferente de todos os Dias do Professor que ela já comemorou, o sentimento de hoje é saudade.
“Hoje temos um sentimento de muita saudade, que muitas vezes dói mesmo o coração. Porque, às vezes, avaliamos que essas pessoas poderiam estar vivas se tivessem tido um atendimento médico eficiente que assegurasse com que elas pudessem ter sido recuperadas, mas infelizmente morreram e deixaram muita saudade entre familiares e colegas de trabalho”, contou.
Professores fizeram ato em homenagem a profissionais mortos pela Covid-19.
Eliana Nascimento/G1 AM
A professora declarou que, após o fim da pandemia, vai existir um vazio por conta dos professores que faleceram em decorrência do novo coronavírus. Ela lembra da luta da classe por uma sociedade melhor.
“Os professores merecem respeito, consideração e valorização. Neste dia, nós não buscamos discursos falaciosos de parabéns, mas queremos que as autoridades públicas possam respeitar verdadeiramente os professores”, disse.
Desvalorização dos professores é lamentada
Professores também lamentaram desvalorização.
Eliana Nascimento/G1 AM
O professor Lambert Melo, representante da Associação Sindical dos Professores de Manaus (Asprom Sindical), comentou que o dia 15 de outubro é um dia de luta, mas, por conta da pandemia, este ano é um dia de luto.
Ele lamentou sobre a desvalorização da categoria. “Faz muito tempo que o poder público do Amazonas não proporciona ao professor e a carreira do magistério melhorias que deem prazer e condições de fazermos nosso trabalho de educação com mais qualidade”, lamentou.
Melo também declarou ser contra o retorno das aulas presenciais durante a pandemia. Ele lembrou do professor João Neto, vítima da Covid-19. Segundo ele, o profissional deu a vida pela educação, fazia parte do sindicato e estava a frente de greves.
O ato foi pacífico e contou com uma equipe da Polícia Militar.
Aulas no Amazonas em meio à pandemia
Amazonas é o primeiro estado a retomar aulas presenciais nas escolas públicas
As aulas presenciais retornaram para 110 mil alunos do ensino médio e Ensino de Jovens e Adultos (EJA) da rede estadual de ensino no dia 10 de agosto, em Manaus. A cidade foi a primeira capital do país a retomar as atividades, quase cinco meses após o início da pandemia do coronavírus.
Há menos de um mês, as aulas presenciais para estudantes do ensino fundamental da rede estadual de ensino em Manaus foram retomadas. Cerca de 60 mil estudantes da rede privada voltaram às escolas desde julho. A rede municipal segue apenas com ensino remoto.
Com isso, o Amazonas se divide em três diferentes formas de ensino durante a pandemia: o ensino híbrido, o presencial e o on-line.
Agora é assim? As mudanças para a educação após a pandemia
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.