Relatório da Diretoria de Saúde atesta acerto no retorno gradual dos atos presenciais

Conforme o documento, não há mais macrorregiões com risco gravíssimo no Estado e todas elas estão com taxa de transmissão abaixo de 1. Ainda assim, é preciso atenção em todas as localidades, especialmente no Planalto Norte e Nordeste, no Sul e na Grande Florianópolis. De acordo com o último Boletim Epidemiológico, Santa Catarina apresenta 212.584 casos confirmados de Covid-19, com 203.116 recuperados e 2.747 óbitos. A incidência da doença está em 2.967,07 casos por 100 mil habitantes e a taxa de letalidade é de 1,28%.

Com o limite máximo de 30% do quadro de colaboradores, a retomada gradual das atividades presenciais no PJSC começou no último dia 23. O movimento ocorreu em plena observância aos protocolos necessários à preservação da saúde, de modo a garantir uma exposição com o máximo de segurança e o mínimo risco possível. A decisão de retomar as atividades presenciais foi baseada em critérios técnicos e científicos, entre eles a análise da evolução da taxa de contaminação pela Covid-19 (Rt), a curva dos casos confirmados, o número de óbitos e a taxa de ocupação de leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes com Covid-19.

As ferramentas de ciência de dados utilizadas no apoio à decisão foram desenvolvidas, em um grande esforço colaborativo, pelo Núcleo Intersetorial de Inteligência de Dados para a Covid-19. O NIIDC é composto de integrantes do Poder Judiciário, Ministério Público de Santa Catarina, Secretaria de Estado da Administração, Secretaria de Estado da Saúde, Conselho de Secretarias Municipais de Saúde e Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc). O Núcleo também contou com o apoio técnico da ONG Social Good Brasil, que aplicou sua metodologia ágil e liderou a equipe intersetorial, e das empresas Data Science Brigade e Aquarela Data Analytics.

Em quatro meses, a equipe do NIIDC trabalhou no desenvolvimento de ferramentas de dados descritivas, preditivas e de governança, capazes de auxiliar os agentes públicos de todo o Estado na tomada de decisão, na escolha de medidas de combate ao avanço da pandemia e na preparação das estruturas de saúde para o enfrentamento desta excepcionalidade. Assim, com a utilização plena das ferramentas de dados desenvolvidas e aperfeiçoadas constantemente, a Diretoria de Saúde realiza, semana a semana, o acompanhamento e a análise dos números de cada macrorregião de saúde do Estado. Com base nessas informações, foi possível entender o comportamento da doença e definir critérios objetivos neste retorno gradual.

Imagens: Divulgação/TJSC
Conteúdo: Assessoria de Imprensa/NCI
Responsável: Ângelo Medeiros – Reg. Prof.: SC00445(JP)
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”