Retiradas há uma semana, cerca de 15 pessoas voltam a ocupar casarão no Centro Histórico de Salvador


Segundo informações da PM, grupo ultrapassou as barreiras de tijolos colocadas pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), em imóvel localizado na rua Inácio Acciole. Cerca de 15 pessoas voltam a ocupar casarão no Centro Histórico de Salvador
Reprodução/TV Bahia
Uma semana após serem retiradas de um casarão no Pelourinho, Centro Histórico de Salvador, cerca de 15 pessoas, incluindo mulheres e crianças, voltaram a ocupar o imóvel. A informação foi divulgada pela Polícia Militar.
Segundo informações da PM, o grupo, na madrugada de terça-feira (13), ultrapassou as barreiras de tijolos colocadas pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), em um imóvel localizado na rua Inácio Acciole.
A Polícia Militar informou que só foi notificada depois do acontecimento e aguardará decisão daquele órgão para prestar o apoio necessário.
O G1 tentou entrar em contato com o Ipac mas, até a publicação desta reportagem, não obteve retorno.
Na terça-feira (6), três famílias foram retiradas de dois casarões no Pelourinho. As famílias relataram que estavam ocupando os imóveis há cerca de um ano e meio, por não terem conseguido uma moradia fixa.
Á TV Bahia, eles contaram que não tinham sido avisados que seriam retirados dos imóveis.
“Eu estava sem condições, cheguei a dormir no Aquidabã com as crianças, ocupei aí tem um ano e seis meses. Chegaram aqui hoje pela manhã, aproveitaram que eu tinha saído para trabalhar, que eu tenho uma banquinha que vendo bolo, vendo café. Aproveitaram que estavam só os meninos dentro de casa, colocaram eles para fora, sem mandado, sem papel de identificação, sem ordem judicial. Eles, sem defesa, tiveram que sair”, contou Magda, que faz parte de uma das famílias.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.
Assista aos vídeos do Bahia Meio Dia
Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”