Servidores fazem homenagem a agente comunitária de saúde de BH que morreu de Covid-19


De acordo com o Sindibel, Márcia Aparecida Aquino de Oliveira, de 57 anos, foi a primeira agente a morrer por coronavírus na capital mineira. Segundo Sindibel, Márcia Aparecida Aquino de Oliveira, de 57 anos, é a primeira agente comunitária de saúde vítima de Covid-19, em BH
Redes Sociais
Servidores do Centro de Saúde Dom Joaquim, na Região Nordeste de Belo Horizonte, se mobilizaram nesta segunda-feira (28) para fazer uma homenagem à agente comunitária Márcia Aparecida de Aquino de Oliveira, de 57 anos, que trabalhava no local e morreu neste domingo (27), segundo o sindicato, por causa da Covid-19. A prefeitura não confirma a causa da morte.
Na entrada da unidade, eles afixaram um cartaz com o dizer: “Márcia, presente!”. Os participantes do ato também fizeram um minuto de silêncio e ressaltaram a importância do uso de equipamentos de proteção individual (EPIs).
O Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos de Belo Horizonte (Sindibel) informou que ela foi a primeira agente comunitária a morrer por coronavírus na capital mineira.
A servidora estava internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital da Unimed desde o dia 23 de setembro.
Colegas contam que a vítima era muito querida e atuante no local onde trabalhava e também integrava a comissão local de Saúde. Ela deixa três filhos.
Veja reportagens do JN sobre o coronavírus:
Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”