Site mostra a dificuldade de distanciamento social nas calçadas de São Paulo

A cada 100 metros de calçada na cidade de São Paulo, em 72 é “muito difícil” ou “impossível” cumprir as medidas de distanciamento social recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) durante a pandemia do novo coronavírus. O cálculo é do estudante de arquitetura Conrado Toscano Freire, 20, do quarto ano de arquitetura da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

De acordo com o projeto Largura do Passeio dos quase 26 mil quilômetros de calçadas em São Paulo descritos no mapa, mais de 18 mil estão inadequados, apresentando níveis “impossíveis” ou “muito difíceis” para a prática do distanciamento social, com largura máxima de até 2,6 metros.

“Essa situação é decorrente de várias décadas de políticas públicas de transporte voltadas essencialmente para o automóvel”, observa Conrado. “Apenas em 2019 a largura mínima da faixa livre das calçadas foi estabelecida como 1,2 metro pela prefeitura de São Paulo, sendo antes de 90 centímetros”.

A plataforma desenvolvida por Conrado traz em um mapa interativo da cidade de São Paulo, que indica a dificuldade do distanciamento social a partir da largura das calçadas. Ele explica que as calçadas precisariam de um mínimo de 1,9 metro de largura para garantir o distanciamento de 1,5 metro entre pedestres, que é o mínimo recomendado pela OMS.

Essa inadequação é maior em bairros periféricos, de acordo com a plataforma. No distrito de Marsilac, por exemplo, no extremo sul da cidade, cerca de 81,3% das calçadas possuem no máximo 1,7 metro de largura, sendo consideradas impossíveis para o distanciamento mínimo recomendado.

Já em regiões centrais e mais bem planejadas, como o Jardim Paulista, Santa Cecília e Consolação, mais da metade das calçadas apresentam largura mínima a partir de 2,7 metros – ainda assim representam um nível para o distanciamento considerado “difícil”. Conrado ressalta que fatores como a qualidade de pavimentação, o fluxo de pessoas, árvores ou postes, que não são descritos no mapa, dificultam muito a mobilidade, ainda que em regiões planejadas.

“Se considerarmos todos os obstáculos, praticamente todas as calçadas seriam inadequadas, inacessíveis. É o que a gente vê todo dia. A gente tem que ficar pulando degraus, escorregando em rampas irregulares, temos que andar muitas vezes no meio da rua. As únicas ruas que possuem calçadas adequadas e amplas são das zonas mais privilegiadas – é a Avenida Faria Lima, a Avenida Paulista, a região da República, e isso não contempla grande parte da população de São Paulo. É possível perceber que o direito a rua não é um direito generalizado, é um privilégio nesse caso”, comenta o estudante.

O mapa criado por Conrado é a adaptação do projeto Sidewalk Widths NYC, da arquiteta norte-americana Meli Harvey. O estudante, a partir do código disponibilizado pela versão nova-iorquina, utilizou como referência os dados abertos da GeoSampa, plataforma digital da Prefeitura de São Paulo que disponibiliza a cartografia da cidade.

“Os dados de calçadas da GeoSampa são brutos, há apenas o desenho e a informação sobre cada calçada. Eu precisei tratar esses dados e então gerar essa interatividade. Foi o trabalho de complementar o mapa com os dados, transformar polígonos em linhas, separar informações da largura mínima e acrescentar a interatividade”, explica.

Conrado diz que já conversou com Meli Harvey, autora da versão nova-iorquina do projeto. “Entrei em contato recentemente para enviar a minha versão do projeto para ela. Pelo o que ela me informou, o mapa já foi reproduzido em várias cidades pelo mundo, como Toronto, Berlim, Washington e Milão. Em Nova York, Meli me disse que o projeto impactou na legislação das medidas de open streets [ruas abertas], gerando vários quilômetros de ruas direcionadas unicamente para pedestres e ciclistas durante a pandemia”, explica.

Conrado aponta ainda que o propósito do mapa é contribuir com o debate sobre políticas públicas que busquem a melhoria das condições do espaço urbano, sobretudo diante das restrições do espaço público impostas pela pandemia.

“Cidades como Barcelona e Berlim, durante o período de reabertura, adotaram diversas soluções de urbanismo tático para enfrentar esse desafio, como o alargamento de ciclovias, como acontece na região da Liberdade, a limitação da circulação de automóveis e o melhoramento da qualidade dos passeios. Essas medidas, que podem ser feitas de maneira temporária, podem amenizar o impacto da pandemia no espaço urbano, mas também são experiências que alteram a percepção do pedestre sobre o seu direito ao espaço público, e tem grande potencial de permanecerem no pós-pandemia”, avalia.

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

“As pessoas sempre escolherão uma história que as ajude a sobreviver e prosperar.”