Solução desenvolvida pela ENGIE Brasil Energia facilita a migração ao mercado livre de energia

Produto E-conomiza é voltado às empresas de pequeno e médio porte e garante a redução de até 15% na conta de energia todo mês

(Foto: Divulgação)

O mercado livre de energia cresce a cada ano no Brasil e fechou 2019 com um volume de operações 6% superior ao de 2018, movimentando R$ 134 bilhões. É um segmento que já representa 30% de toda energia elétrica consumida no País, segundo dados da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). No entanto, o potencial desse mercado é muito maior e ainda se encontra subaproveitado. A avaliação dos especialistas é de que muitos clientes ainda não ingressaram nesse segmento por considerarem a migração complexa e burocrática ou ainda por desconhecerem as vantagens que ele oferece: amplo poder de escolha, maior competitividade, flexibilidade na negociação e previsibilidade de custos.

Ambiente de negócios criado para permitir que empresas negociem a compra de energia diretamente com as geradoras e comercializadoras, o Mercado Livre de Energia permite que o valor a ser pago seja negociado entre o cliente e a geradora, em um processo livre, transparente e mais competitivo. Já no Mercado Regulado de Energia, o preço é determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Atualmente 85% das indústrias com atuação no Brasil já participam do mercado livre e usufruem de todas as vantagens e benefícios que ele oferece.

Para oferecer também às empresas de pequeno e médio porte a oportunidade de migração ao mercado livre de forma simples, sem burocracia e com todas as vantagens que a modalidade varejista oferece, a ENGIE Brasil Energia, maior produtora privada de energia elétrica do Brasil e que atua no Mercado Livre desde o ano 2000, lançou o produto E-conomiza, uma solução desenvolvida especialmente para o consumidor empresarial de pequeno e médio porte com consumo de energia até 1MWm e potencial mínimo para migração.

O E-conomiza oferece a compra de energia incentivada, garantindo também que os clientes consumirão energia a partir de fontes renováveis, ou seja, energia limpa.

— É a solução ideal para empresas que não possuem uma equipe ou estrutura interna robusta para realizar gestões complicadas de energia, e que querem reduzir as suas contas ao final de cada mês sem precisar fazer investimentos — destaca o Diretor de Comercialização da ENGIE Brasil Energia, Gabriel Mann dos Santos.

Vantagens da migração ao mercado livre

A migração do mercado cativo para o ambiente livre de contratação de energia, por meio da solução desenvolvida pela ENGIE, pode resultar em uma série de vantagens, tais como: segurança, contrato simplificado, praticidade e redução estimada de até 15% na conta de energia todo mês. O E-conomiza elimina a necessidade de associação à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), uma vez que todo o processo operacional da migração e toda a gestão da conta de energia são feitas por profissionais especializados da própria Companhia, cabendo ao cliente pagar apenas a fatura da distribuidora, relativa ao fio, e a fatura de energia para a ENGIE.

— Outro benefício que tornamos tangível é a participação do cliente nos nossos projetos sociais. Ao comprar energia da ENGIE, o cliente também está apoiando projetos em áreas como esporte, educação, cultura e meio ambiente em comunidades locais vizinhas aos empreendimentos que produzem a nossa energia — explica Gabriel.

O E-conomiza é uma solução que só uma empresa como a ENGIE Brasil, com toda sua infraestrutura e liderança no setor de energia, poderia oferecer às empresas. Maior produtora privada de energia elétrica do Brasil, com cerca de 700 clientes (grupos empresariais) e capacidade instalada própria de 10.211MW em 61 usinas, o que representa cerca de 6% da capacidade do país, a Companhia possui quase 90% de sua capacidade instalada no país proveniente de fontes renováveis e com baixas emissões de GEE, como usinas hidrelétricas, eólicas, solares e biomassa.

Tags .Adicionar aos favoritos o Link permanente.