Trabalho doméstico representa risco de osteoartrite nos joelhos

 


Pesquisa revisou mais de 70 estudos com dados de quase um milhão de pessoas Um estudo conjunto das universidades de Sidney, Oxford e Southampton revelou que determinadas atividades apresentam um risco maior de provocar osteoartrite nos joelhos. Como era de se esperar, o trabalho pesado no campo, na construção e em minas lidera a lista – e as empresas deveriam oferecer equipamentos de proteção para seus funcionários. No entanto, o serviço doméstico, realizado dentro de casa, também tem grande potencial de causar danos ao corpo. Os pesquisadores revisaram mais de 70 estudos, com informações de quase um milhão de pessoas.
O reumatologista David Hunter: “75% dos fatores que provocam a osteoartrite podem ser modificados”

O levantamento foi publicado na revista “Arthritis Care and Research” e, de acordo com um dos autores, o reumatologista David Hunter, a osteoartrite de joelho é uma causa importante de afastamento de emprego e limitação física: “o problema vem crescendo. Atualmente a osteoartrite afeta uma em cada oito pessoas, mas a previsão é de um aumento de 50% do número de casos em 15 anos”. Outro pesquisador, o professor Xia Wang, lembrou que, embora em áreas como agricultura e construção haja uma frequência excessiva de ações como ajoelhar, agachar e levantar peso, atividades de médio risco também merecem atenção, principalmente devido ao envelhecimento da população: “o trabalho doméstico não remunerado e o dos cuidadores demanda esforço considerável e é realizado por indivíduos mais velhos”.
A doença se caracteriza pela degeneração das cartilagens, acompanhada de alterações nas estruturas ósseas adjacentes. No Brasil, estima-se que mais de 12 milhões de pessoas, o equivalente a 6% da população adulta, tenham algum tipo de osteoartrite, mas a prevalência entre idosos é enorme: depois dos 65 anos, 85% apresentam evidência radiológica da enfermidade. O professor Hunter é uma referência mundial e se mostra bastante crítico em relação aos procedimentos cirúrgicos. Afirma que, para 25% dos pacientes que se submetem a uma artroplastia, conhecida como prótese de joelho, o resultado não é satisfatório. Em palestra que realizou em novembro do ano passado e que está disponível on-line, diz que a prevenção é a melhor alternativa para lidar com o problema: “75% dos fatores que provocam a osteoartrite podem ser modificados. São questões como controlar o peso, para não sobrecarregar as articulações, e fazer atividade aeróbica e exercícios de fortalecimento. Infelizmente, a intervenção acontece tarde, com medidas paliativas. Para se ter uma ideia do sofrimento desses pacientes, dois em cada três contam que a última vez em que não sentiram dor foi há mais de um ano”.


Com Agências