Influenciadora digital de SE é investigada por suspeita de intolerância religiosa


O caso foi parar na polícia nesta segunda-feira (14), após ela ter divulgado um vídeo nas redes sociais com supostos ataques à atos de uma religião de matriz africana. O G1 não conseguiu localizar a defesa dela. Uma influenciadora digital de Sergipe está sendo investigada pela Delegacia de Atendimento a Crimes Homofóbicos, Racismo e Intolerância Religiosa (Dachri). O caso foi parar na polícia nesta segunda-feira (14), após ela ter divulgado um vídeo nas redes sociais com supostos ataques à atos de uma religião de matriz africana.
De acordo com a delegada Meire Mansuet, um inquérito já foi instaurado e a influenciadora será intimada a prestar esclarecimentos.
“As pessoas precisam ter muito cuidado com o que publicam e com o que divulgam, e assumir as consequências de seus atos. Nós temos muitos casos na delegacia da prática reiterada de discriminação e preconceito, os crimes de ódio, praticados nas redes sociais, através das publicações, e estamos investigando de forma rigorosa para que o Judiciário possa punir essas pessoas”, disse a delegada.
Delegada Meire Mansuet
Polícia Civil/Divulgação
A previsão legal para caso de condenação é de penas de detenção de dois a cinco anos de prisão. “O crime de intolerância religiosa está previsto na lei nº 7716/89, que define os crimes de racismo. É um tipo de racismo, que é praticado com a discriminação ou a intolerância contra uma pessoa ou contra uma comunidade. Neste caso, houve a prática de discriminação com a religiosidade”, explicou.
O G1 não conseguiu localizar a defesa dela até a última atualização desta reportagem.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.