Jovem denuncia assédio de homem durante sessão de massagem no Rio: ‘Sentimento ruim e crises de pânico’


Segundo a jovem, o homem fez contato através de uma empresa pelas redes sociais oferecendo serviços de massagem em troca de parceria no Instagram. Ela diz que o profissional se masturbou durante atendimento. Uma jovem usou o Instagram na noite de segunda-feira (14) para relatar um episódio de assédio que ela alega ter sofrido no dia 10 de dezembro em sua casa, na Barra da Tijuca.
A publicitária, de 21 anos, contou que estava em uma sessão de massagem quando viu o homem se masturbando enquanto realizava o procedimento estético nela. O caso foi registrado na 16ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca) no dia 11 de dezembro.
Imagem do homem suspeito de assédio entrando no prédio da vítima
Divulgação
A jovem explicou que o homem, identificado apenas como Matheus, entrou em contato através de uma página profissional no Instagram oferecendo massagem e procedimentos estéticos em troca de parceria e permuta. Segundo ela, o homem ainda teria falado que era gay e que por isso ela não precisaria se preocupar com o fato de ele ser uma figura masculina realizando o atendimento.
“Eu jamais deixaria de fazer porque a pessoa é gay. Então marquei e ele foi na minha casa…Estava fazendo a massagem e comecei a achar um pouco estranho. Aí olho pelo espelho e ele estava se masturbando enquanto fazia massagem em mim”, contou ela, chorando.
Ela ainda contou que partiu para cima dele, batendo nele com a toalha que estava usando e que o expulsou de sua casa aos gritos.
Mais relatos de assédio
Em conversa com o G1, a jovem disse que está passando por um período muito difícil e que mais de 30 meninas já entraram em contato com ela para dizer que passaram pela mesma situação.
“Tenho sentimento ruim, crises de pânico, porque é tudo muito recente. Escutar os relatos das outras meninas é muito difícil, mas sinto que fiz a coisa certa. Estou sendo um canal para muitas pessoas que se sentiram encorajas e também foram registrar o caso na polícia. Agora, espero justiça, porque sei que essas pessoa é perigosa”, disse.
O G1 tentou entrar em contato com o homem citado, mas ele não foi encontrado até a publicação da reportagem.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.