Jovem morto a tiros enquanto empurrava moto sofreu emboscada no litoral de SP, diz polícia


Segundo inquérito, suspeitos cortaram o cabo do motor de partida da motocicleta e, em seguida, abordaram vítima que ficou a pé. Bruno Willians foi executado enquanto esperava ajuda para empurrar moto quebrada em Praia Grande, SP
Reprodução/Facebook
Dois homens, de 28 e 38 anos, foram identificados como suspeitos de matar a tiros o pintor Bruno Willians, de 28, enquanto o rapaz empurrava uma moto quebrada, em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Eles são apontados, também, como responsáveis pelo veículo ter falhado, forçando a vítima a seguir para casa a pé.
O pintor foi morto na Rua Jeziael da Silva, no bairro Trevo, por volta da 0h15 do dia 16 de novembro. Ele estava acompanhado de uma mulher e, segundo a testemunha contou à polícia, os dois tinham acabado de sair de um bar na região quando, na volta para casa, a moto apresentou problemas e eles precisaram seguir a pé, empurrando o veículo.
Um carro surgiu, em baixa velocidade, com dois homens que ofereceram ajuda para empurrar a moto. Um dos suspeitos desembarcou do carro, mas, ao invés de ajudá-los, sacou uma arma e atirou por diversas vezes na direção do pintor.
Três dos tiros atingiram as costas e a cabeça de Bruno, enquanto um deles atingiu o pé da companheira. Após os disparos, o homem entrou no carro e fugiu. A PM foi acionada, assim como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que encaminhou o casal ao Pronto Socorro do Hospital Irmã Dulce. Bruno não resistiu e morreu na unidade.
Bruno Willians foi alvejado com três tiros nas costas
Reprodução/Facebook
Investigações
De acordo com informações obtidas pelo G1 neste sábado (12), as investigações, que buscavam a motivação e autoria do crime, ficaram a cargo do delegado Juvenal Marques Ferreira, do 2º DP de Praia Grande, e do investigador-chefe Olívio Bento. De acordo com a Polícia Civil, foram ouvidas testemunhas que declararam que, dias antes, Bruno havia se envolvido em uma discussão com o atual namorado da ex-esposa.
Segundo o inquérito civil, durante a briga, é possível que Bruno tenha ameaçado o rapaz, que, por sua vez, contou ao pai sobre a desavença. O pai do rapaz, de 38 anos, é apontado como suspeito de dirigir o carro que levava um amigo da família, de 28, que teria efetuado os disparos que mataram Bruno.
Ainda de acordo com as investigações, a emboscada foi preparada horas antes. Enquanto o casal estava no bar, os dois suspeitos cortaram o cabo do motor de partida da moto, razão pela qual o veículo apresentou falha mecânica e o casal precisou seguir a pé.
Ambos foram reconhecidos, por meio de fotos, pela sobrevivente da emboscada. A Polícia Civil já solicitou à Justiça a expedição de mandado de prisão para os suspeitos. Os dois não foram encontrados em suas residências e, de acordo com registros da Polícia Federal, nenhum deles têm posse de arma de fogo registrada.
VÍDEOS: As notícias mais vistas do G1
Adicionar aos favoritos o Link permanente.