Letras e Cores (por Cristovam Buarque)

Passadas as eleições municipais, as lideranças nacionais se dedicam a imaginar alianças para 2022. Tentam composições com base em nomes candidatos e siglas. Não se fala qual o propósito de cada aliança, salvo : vencer o nome e a sigla do adversário. Uma disputa por letras, não por cores.

Deve ser assim nos países onde tudo funciona bem e o presidente deve apenas gerenciar o governo. Mas diante da crise que o Brasil atravessa, as siglas deveriam ser menos importantes do que as cores das propostas para o futuro.

As alianças deveriam construir as bases políticas para enfrentar:

– a violência generalizada que domina nossas cidades;

-quais os instrumentos para manter a estabilidade monetária;

-qual estratégia para retomar o crescimento econômico com sustentabilidade; para eliminar a tragédia da pobreza, e desfazer a brutal desigualdade de renda entre pessoas e regiões;

-como dar eficiência na gestão, eliminar corrupção e garantir ética na definição das prioridades do Estado;

-como elevar a qualidade e garantir equidade na educação de base, independente da renda e do emdereço do aluno e como erradicar o analfabetismo de adultos;

-o que fazer para transformar nossas “monstrópoles” em centros urbanos eficientes e conviviais;

Continua após a publicidade

-o que fazer para assegurar acesso de milhões de brasileiros a um endereço limpo, com água potável, coleta de lixo e esgoto;

-quais medidas poderão dar futuro à juventude;

-como recuperar o prestígio perdido pelo Brasil no cenário internacional, por causa das decisões do governo nos últimos dois anos;

-que ações para assegurar emprego, sem perder eficiência, nem competitividade, neste tempo de modernização;

-quais e como fazer as reformas do estado: fiscal, trabalhista, política para sintonizar o Brasil com os rumos do progresso mundial;

-como eliminar os privilégios que caracterizam a sociedade brasileira e tiram legitimidade do poder público.

As letras de nomes e de siglas ficam sem sentido se não tiverem cores definidas pelos propósitos das propostas de cada candidatura para o futuro. Mas não se vê debate sobre cores, apenas letras que amarrarão o Brasil no seu passado, qualquer que seja a sigla e o nome vitorioso.

 

Cristovam Buarque foi reitor da Universidade de Brasília, governador do Distrito Federal, ministro da Educação e senador. Escreve aqui aos sábados

Continua após a publicidade

Adicionar aos favoritos o Link permanente.