Licitação da Cedae deve render no mínimo R$ 10,6 bilhões; edital exige mais R$ 25 bilhões em investimentos

O documento que o RJ2 teve acesso com exclusividade mostra que a concessão dos serviços de água e esgoto serão divididas em quatro blocos, com valores mínimos para cada conjunto. O preço final da água para os consumidores será mantido. Reunião discute o edital de licitação da Cedae
O Conselho de Administração da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) se reuniu nesta quarta-feira (16) para analisar pontos importantes do edital de licitação para a venda da companhia.
Durante o encontro, ficou decidido que o leilão da Cedae deverá render no mínimo R$ 10,6 bilhões, sendo 80% para o governo do estado e 20% para os municípios da Região Metropolitana.
O RJ2 teve acesso com exclusividade ao documento que vai orientar as regras do leilão.
Entre as regras estabelecidas para as empresas que vencerem a licitação, está a obrigação de investimento de R$ 25 bilhões em 12 anos. O objetivo é universalizar o serviço de água e esgoto dentro desse período.
A concessão dos serviços de água e esgoto da companhia será dividida em quatro blocos. O valor do investimento também será repartido por cada uma das empresas vencedoras.
A ideia dos organizadores é misturar regiões que despertam grande interesse dos investidores com outras consideradas menos atraentes.
Os preços iniciais para o leilão variam entre R$ 879 milhões e R$ 3,9 bilhões, dependendo da região arrematada.
Bloco1: Zona Sul e mais 28 municípios do estado. Lance mínimo: R$ 3,947 bilhões
Bloco 2: Barra da Tijuca, Jacarepaguá e mais quatro municípios. Lance mínimo: R$ 3,2 bilhões.
Bloco 3: Zona Oeste e mais seis municípios. Lance mínimo: R$ 879 milhões.
Bloco 4: Centro da cidade, Zona Norte e mais oito municípios. Lance mínimo: R$ 2,596 bilhões.
Leva cada um dos blocos a empresa der a maior oferta.
Preço final da água mantido
Mesmo depois do leilão, a Cedae vai continuar produzindo água potável na Estação de Tratamento do Guandu.
O que vai mudar é que a companhia vai vender essa água para as concessionárias privadas que vencerem o leilão.
O edital não prevê mudanças no preço final da água para os consumidores. E a tarifa social, que hoje alcança 0,5% dos clientes, passaria para 5%.
Acordo com os municípios
Os representantes da Cedae ainda precisam da aprovação de cada um dos municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro para que a licitação possa ser lançada.
A previsão é de que o lançamento do edital aconteça no próximo dia 18 de dezembro.
Já o leilão deve acontecer já no primeiro trimestre do ano que vem.
O preço mínimo dos quatro lotes de concessão será de 10,6 bilhões de reais.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.