Mais de 130 manifestantes anti-Lukashenko são presos em Belarus


Protestos exigindo a renúncia do presidente Alexander Lukashenko continuam desde agosto, quando o presidente foi reeleito em uma votação conturbada e marcada pro acusações de fraude. Mais de 130 manifestantes foram presos em Minsk neste domingo (13)
AP
Mais de 130 manifestantes foram presos, neste domingo (13), em Belarus durante protestos da oposição em Minsk exigindo a renúncia do presidente autoritário Alexander Lukashenko, que há meses enfrenta protestos históricos de oponentes de seu governo.
O grupo de direitos humanos Viasna informou que os manifestantes foram detidos em Minsk, onde as forças de segurança posicionaram veículos com jatos de água e um grande número de soldados bloqueando áreas importantes no centro da capital.
Protestos em Belarus: ‘Fui preso e agredido por distribuir rosas’
Erguendo bandeiras vermelhas e brancas, símbolo da oposição, os manifestantes marcharam por bairros nos arredores da capital para evitar uma repressão policial em grande escala.
Manifestante contra os resultados oficiais da eleição presidencial em Minsk, neste domingo (13)
AP
O site de notícias pró-oposição Nasha Niva indicou que mais de 120 marchas ocorreram na capital, Minsk, e em outras cidades neste domingo.
Ao contrário dos protestos do final de semana passado em que dezenas de milhares de pessoas se reuniram no centro de Minsk, neste domingo as estações centrais do metrô estavam abertas e o serviço de internet móvel funcionou sem problemas.
Alexander Lukashenko durante cerimônia em que tomou posse como presidente
Andrei Stasevich/ Belta / AFP
Belarus, uma ex-república soviética, foi perturbada por meses por manifestações históricas contra o regime, que começaram após as eleições presidenciais de agosto, nas quais Lukashenko foi declarado vencedor para o sexto mandato consecutivo.
Seus oponentes afirmam que as urnas foram fraudadas e que a novata política Svetlana Tikhanovskaya, que concorreu para substituir o marido preso, foi a verdadeira vencedora da votação.
Tikhanovskaya, que está exilada na vizinha Lituânia, destacou neste domingo que os manifestantes foram às ruas “apesar da repressão, da violência e do frio”.
“Eles estão resistindo ao governo de Lukashenko, pois o povo bielorrusso aspira a viver em um país democrático e livre”, escreveu nas redes sociais.
5 pontos para entender a crise em Belarus
A União Europeia (UE) impôs sanções a Lukashenko e seus aliados, argumentando que houve fraude eleitoral e violenta repressão policial contra os oponentes.
Presidente de Belarus promete deixar o cargo se nova constituição for aprovada, diz agência
Belarus anunciou no início desta semana que fechará provisoriamente suas fronteiras terrestres no final de dezembro para tentar conter a disseminação da covid-19, o que a oposição viu como uma nova medida repressiva contra dissidentes.
Vídeos: Notícias internacionais
b
Adicionar aos favoritos o Link permanente.