No Colégio Classe A a Redação é Forte


A redação se tornou no Classe A uma regra fundamental para potencializar aprovações. Escrever, diga-se de passagem, não é o encanto de muitas pessoas. E isso se deve ao fato de que muitos, antes mesmo de escreverem já reproduzem um discurso culturalmente estabelecido de que isso é um fenômeno para poucos. No entanto, escrever não é algo inato, mas é um exercício que se faz necessário desde a tenra infância. É por esse viés que o Colégio Classe A compreende a sua missão frente aos alunos.
Assim surge uma equipe de professores que assumiram no Colégio Classe A um método democrático que respeita cada fase e principalmente valoriza todo o repertório cultural de vida que esse aluno traz em sua bagagem intelectual. Produzir texto é antes de mais nada deixar a sua marca para a posterioridade, é externar uma identidade e vivê-la de modo que os dedos não são capazes de dedilhar a totalidade dos seus significados, que rompem com a aparência e objetiva cobiçar o infinito de interpretações.
Guiando-se por esses tremores da palavra e do seu poder de transformar a vida é que a disciplina de Redação do Colégio Classe A visa uma escrita que seja coerente, coesa, formal e que ascenda a uma argumentação que rompa com os padrões do senso comum. É necessário ressaltar que o Fundamental do Colégio Classe A é Forte, pois desde o 5º ano até o cursinho pré-vestibular os alunos malham na escrita todas as semanas.
A equipe de professores de redação, o professor Carlos Igor de Oliveira Jitsumori e Hildergard Brum entendem que escrever semanalmente é o caminho para o desenvolvimento de um texto forte e de peso nos processos de seleções de vestibulares. Se escrever não é algo inato, o meio de jorrar palavras é um exercício que precisa ser diário. Conforme afirmou o professor Carlos Igor: “Escrever é uma arte. Alguns nascem José de Alencar, a maioria o tem como inspiração. ”
Isso remonta que sem disciplina, leitura e discussão temática fica complicado atingir um texto satisfatório. O método é irrigar os alunos de conhecimentos múltiplos sobre o tema, com filmes, textos científicos, revistas, notícias, reportagens, livros, etc. somente assim é possível partir de um repertório subjetivo. Não há subjetividade sem a objetividade, ou seja, para um aluno desenvolver um texto faz-se urgente o arcabouço de leituras para potencializar a escrita.
Escrever é um processo artesanal, que leva tempo e dedicação. Atingir um texto refinado do ponto de vista de uma estética textual é um processo que não termina em sala de aula. Por esse motivo, o Colégio Classe A adotou como estratégia para a disciplina de Redação a produção semanal que encontra no espaço da casa um laboratório crucial para a pesquisa sobre o tema proposto. Antes disso acontecer, os professores apresentam o tema em sala, exploram a temática, apresentam estratégias argumentativas, citações, etc., em casa irão escrever com base em tudo que problematizaram com os professores.
O sucesso do Colégio Classe A em redação é fruto da articulação em equipe com professores e monitores que trabalham em parceria na produção textual. Uma vez que a escrita é um trabalho conjunto, sempre valorizando o que o aluno carrega de conhecimento, tal como o seu modo de ler, interpretar e analisar os textos dos acontecimentos da vida. Portanto, escrever no Colégio Classe A é mais do que conquistar uma vaga tão sonhada em uma Universidade, é mergulhar no próprio “eu” e reconhecer-se enquanto sujeito que está condenado a escrever.
Por professor Carlos Igor de Oliveira Jitsumori – doutorando em Educação (PPGEdu/UFMS). Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2010), e formado em Filosofia (2006) pela mesma instituição.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.