Novo decreto cria ‘toque de recolher’ e volta a restringir bares em Volta Redonda


Pessoas de outras cidades também terão restrições para entrar na cidade. Mudanças passam a valer a partir desta terça-feira. CDL criticou decreto e lamentou ‘decisão unilateral’. Volta Redonda divulga novo decreto com restrições para enfrentamento da pandemia
Reprodução/TV Rio Sul
A prefeitura de Volta Redonda (RJ) divulgou nesta segunda-feira um decreto com novas regras para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. As mudanças passam a valer a partir desta terça-feira (15) e continuam, inicialmente, até as 23h59 do dia 26 de dezembro.
A principal determinação é um toque de recolher de meia-noite às 5h. Fica proibida a presença de pessoas nas ruas, parques e praças públicas neste horário. Também fica vedada a entrada em Volta Redonda de pessoas de outras cidades das 10h às 18h, exceto em casos de saúde e trabalho.
O controle será feito através de fiscalizações em pontos estratégicos do município.
Bares e restaurantes só poderão funcionar até as 20h. Após este horário, o funcionamento deverá ser apenas nas modalidades drive-thru e delivery. Enquanto estiver de portas abertas, o estabelecimento não poderá executar música, seja com DJ ou apresentação ao vivo. Mesas e cadeiras não poderão ser colocadas em calçadas.
A venda de bebidas alcoólicas para consumação em demais estabelecimentos fica proibida após as 20h. Também estão proibidos eventos com aglomeração de pessoas em espaços públicos, áreas comuns de condomínios, prédios residenciais e casas.
Com relação ao transporte público, só poderão circular ônibus em que as janelas possam ser abertas, para circulação de ar em seu interior. Não poderá haver passageiros em pé.
Os estabelecimentos comerciais poderão funcionar de 8h às 22h, com restrição de um cliente a cada 10m². Em todos os dias da semana, os atendimentos devem ser exclusivo aos idosos até as 11h.
Continuam obrigatórios o uso de máscara, medição de temperatura, higienização de carrinhos e mãos dos clientes, disponibilização de álcool 70% e a demarcação de piso para filas, respeitando a distância recomendada.
O decreto também recomenda a todas as empresas que, sempre que for possível, deixem os funcionários trabalhando em home office.
Ao G1, a assessoria de comunicação da prefeitura informou que não vai haver multa em caso de descumprimento das regras, mas a fiscalização será mais rigorosa do que vinha sendo.
Números da Covid-19 voltam a subir
O novo decreto foi definido após uma reunião realizada nesta segunda-feira (14) entre o prefeito Samuca Silva e a 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo de Volta Redonda.
De acordo com o documento, os casos confirmados de Covid-19 na região estão em curva crescente, e há necessidade de urgência na tomada de decisões para prevenir uma “nova onda” de casos no município.
Desde o início da pandemia, Volta Redonda já registrou 269 mortes e 9.458 casos confirmados.
CDL critica decreto
Procurada pelo G1, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Volta Redonda (CDL-VR) informou, em nota, que foi surpreendida com o novo decreto e que o governo municipal, “mais uma vez, não ouviu as entidades que representam os setores envolvidos, reduzindo o horário de funcionamento dos bares e restaurantes”.
“Depois de quase 80 dias fechados, muitos ainda lutam para superar os prejuízos provocados pela pandemia, além de se readaptarem com novos cardápios, redução no número de clientes e implementação do sistema de delivery”, explicou o comunicado.
Disse ainda que a prefeitura deveria fiscalizar e punir quem está desrespeitando as regras e criticou o fechamento de segmentos que movimentam a economia.
“Sempre estivemos dispostos a conversar e apresentamos propostas discutidas com várias outras entidades, mas não fomos ouvidos. Mais uma vez fomos surpreendidos, infelizmente, e continuamos discordando dessas decisões unilaterais “, afirmou Gilson de Castro, presidente da CDL de Volta Redonda.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.