Por todo o país, 1,8 milhão brasileiros de 5 a 17 anos estão em situação de trabalho infantil

São 4,6% das nossas crianças e adolescentes nessa idade. A pesquisa do IBGE mostra que o número diminuiu de 2016 para 2019. Mas é uma redução lenta para um número tão alto. 1,8 milhão de crianças e adolescentes estão em situação de trabalho infantil, segundo IBGE
O trabalho infantil diminuiu no Brasil em quatro anos. Mesmo assim, segundo o IBGE, 1,8 milhão crianças e adolescentes estavam trabalhando em 2019.
“Fico aqui todo dia. Ou fico nesse sinal ou do outro lado”, conta um menino. “De manhã eu fico ali naquele ponto, que é o melhor que tem. Eu saio daqui umas sete, oito horas da noite”, conta outro.
Elas estão nas esquinas, nas calçadas, mas não deveriam estar. Crianças. Mas nada é uma brincadeira. Por todo o país, há 1,8 milhão brasileiros de cinco a 17 anos em situação de trabalho infantil. São 4,6% das nossas crianças e adolescentes nessa idade.
A pesquisa do IBGE mostra que o número diminuiu de 2016 para 2019, mas é uma redução lenta para um número tão alto.
O Brasil tem a meta de erradicar o trabalho infantil até 2025. E ainda tem os efeitos da pandemia.
“Incluir o tema da proteção da criança e do adolescente, especificamente do trabalho infantil, em todas as políticas de retomada da economia, pós-pandemia. Porque a chance de eles caírem em um trabalho precário e de fazerem o famoso ciclo vicioso da pobreza é muito grande”, avalia Maria Cláudia Falcão, da Organização Internacional do Trabalho.
A maioria das crianças e adolescentes no trabalho infantil é de meninos, e composta por pretos ou pardos.
“Eu ajudo a minha mãe a pagar o aluguel quando ela está precisando”, conta um menino.
A legislação brasileira proíbe qualquer tipo de trabalho até os 13 anos. Não é o que se vê. Com 14 e 15 anos, os adolescentes podem trabalhar, mas apenas como jovem aprendiz. E, acima dessa idade, com 16 e 17, não há impedimento, desde que seja um trabalho em condições adequadas e com os direitos trabalhistas garantidos.
O estudo mostra que crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil têm escolaridade menor. A Organização Internacional do Trabalho diz que o desafio do Brasil é dar oportunidades de formação que conciliem escola com qualificação profissional. O país precisa investir mais em projetos socias que dão certo e buscar outras saídas se quiser erradicar o trabalho infantil.
“Você tem ai todas as políticas de transferência de renda, a universalização da educação, mas o que a gente percebe é que elas foram suficientes para um determinado período, agora a necessidade de aprimorar essas políticas que vão enfrentar o problema”, acrescentou Maria Cláudia Falcão.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.