Pratos típicos da colonização, conheça os 7 tipos da gastronomia servida no Vale Europeu

Existem muitas formas de contar a história de uma cidade, região ou país e a gastronomia com certeza é uma delas. A forma como um prato é feito fala muito sobre a agricultura local, o clima, os costumes e, principalmente, a origem das pessoas.

Em Santa Catarina não é diferente: 191 anos depois dos primeiros imigrantes alemães pisarem em terras catarinenses, a culinária germânica segue viva em Santa Catarina.

Gastronomia típica do Vale Europeu – Foto: Daniel Zimmermann | Prefeitura Municipal de Blumenau/Divulgação

Na Alemanha é muito comum o hábito de se aproveitar ao máximo os alimentos e cada receita é influenciada pela vegetação e clima local. Por isso é interessante levar em consideração que quando os imigrantes desembarcaram por aqui, alguns ingredientes foram sofrendo pequenas substituições devido a colheita e clima local.

Embora exista essa adaptação, os pratos mais famosos são, praticamente, réplicas das receitas originais que existem até hoje na Alemanha. Conheça os pratos mais típicos trazidos pelos imigrantes alemães.

Wurst 

Wurst significa salsicha, um preparo muito consumido na culinária alemã. Estima-se que existam pelo menos 1.500 variações de salsichas na Alemanha e podem ser feitas de diferentes tipos de carnes, além de preparos diversos como assadas, grelhadas ou cozidas. 

Kassler 

As carnes defumadas são muito comuns em países europeus, uma vez que em tempos remotos era necessário encontrar formas de conservar a carne sem a presença de geladeiras. O Kassler é um prato feito desta maneira, com um corte suíno, geralmente um carré curado, cozido e defumado que pode ser servido com legumes ou chucrute. 

Eisbein 

Um dos mais clássicos pratos alemães que um turista pode encontrar em todos os restaurantes mais tradicionais do Vale Europeu em Santa Catarina. Eisbein é um joelho de porco que pode ser assado, cozido ou frito, mas que tem como acompanhamento mais tradicional o chucrute.

Chucrute

O chucrute é acompanhamento indispensável para diversos pratos. O nome em português deriva do nome Sauerkraut. O repolho azedo é feito, basicamente, em uma conserva de água, vinagre e sal e, por isso, pode ser armazenado por bastante tempo, sendo uma boa maneira de garantir vegetais, nutrientes e muito sabor. O prato caiu no gosto popular e séculos depois segue sendo um prato marcante da culinária germânica tanto na Alemanha quanto em Santa Catarina.

Mit rotkohl

O marreco pode ser servido de diversas maneiras, com recheios e acompanhamentos diferentes. O mais tradicional é o marreco recheado com miúdos acompanhado de repolho roxo. Em Santa Catarina, é praticamente símbolo da cidade de Brusque, onde uma vez por ano – em outubro – , é realizada a Festa do Marreco, tamanha é a popularidade do prato. 

Cuca com farofa de banana

Com massa fermentada de pão e cobertura de farofa crocante, o streuselkuchen é tão popular na Alemanha quanto no Sul do Brasil, onde é conhecido como cuca. Servida no lanche ou no tradicional café colonial, a receita foi levada para o Brasil por imigrantes.

O streuselkuchen é um dos doces mais comuns nas padarias alemãs. Ele costuma ser vendido em grandes pedaços, a popularidade do bolo ainda é tão grande que recentemente foi criado o Festival de Cucas de Blumenau, chamado BlumenKuchen que já está em sua 7ª edição. 

Apfelstrudel

O Apfelstrudel, em tradução, folhado de maçã, é uma sobremesa tradicional austríaca, mais conhecida com a massa folhada da Europa central e strudel, na Alemanha. É feita a partir da massa de strudel, recheada com maçãs cortadas em quadrados pequenos, canela, passas e migalhas de pão. Em terras catarinenses, a receita é adaptada de acordo com as frutas da estação e servida com sorvete de acompanhamento. 

Adicionar aos favoritos o Link permanente.