“Precisamos de todas as vacinas”, diz líder dos testes de Oxford no Brasil

Primeira vacina contra a Covid-19 a anunciar testes no Brasil, o imunizante de Oxford — desenvolvido em parceria com o laboratório farmacêutico AstraZeneca — é também a maior aposta do Governo Federal para um extenso programa de vacinação a ser iniciado em 2021.  A frente do estudo do fármaco, com 10.000 voluntários, no país está a médica especialista em infectologia Lily Weckx, coordenadora do Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Em entrevista à VEJA, ela ressaltou a segurança e eficácia do medicamento e afastou a ideia de que são necessários mais testes para atestar a validade da vacina junto aos orgãos reguladores. Confira:

Essa semana os dados da vacina de Oxford foram publicados na revista The Lancet, isso colabora na aprovação pela Anvisa?

Não é exatamente um ponto crucial para essa etapa. É, claro, relevante que você desponha de dados validados por outros cientistas, principalmente porque fomos a primeira vacina a publicar essas informações. Mas a análise das agências reguladoras é mais minuciosa e requer um número maior de documentos. O que o artigo traz de muito importante é a analise combinada que aponta que a vacina tem eficácia média de 70%. 

A média da eficácia foi algo muito questionado em relação a essa vacina. O que aconteceu?

Um grupo no Reino Unido recebeu meia dose seguida de uma dose cheia. Outros receberam duas doses cheias. Nesse primeiro grupo houve a eficácia de cerca de 90%, e entre os que tomaram duas doses a eficácia ficou em 62%. Ainda é preciso avaliar mais esses resultados, que não eram esperados. Porém, é de extrema importância pontuar que as internações e casos graves apenas ocorreram no grupo que não tomou a vacina. Isso aponta que, independente da dosagem, a vacina tem um forte potencial em prevenir desdobramentos severos da Covid-19. Os dados de segurança também são robustos, não houve qualquer problema grave relacionado aos estudos. Foram 24.000 pessoas que tomaram a vacina sem efeitos graves. A pausa que ocorreu em setembro não teve relação comprovada com a vacina, portanto, podemos dizer que é um imunizante que não apresenta riscos a quem recebe.

A Universidade de Oxford iniciou tratativas para mais testes no Brasil?

Não, não houve essa conversa com a gente aqui no Brasil. Estamos seguindo com os estudos, acumulando mais informações a serem estudadas. Temos muito caminho pela frente ainda, o que está sendo apresentado agora são análises interinas, para verificar os dados de eficácia que podem ser usados frente a essa pandemia, por isso há o conhecimento dos dados antes de acabar os estudos.  Temos muito o que aprender.

A vacina atende as necessidades para ser aprovada pelas agências reguladoras?

É uma vacina que tem total condição de pedir o registro, pois ultrapassa o mínimo de 50% de eficácia necessária. E nós estamos bem acima desse corte. Também foi apontada eficácia diante de desdobramentos graves da doença. Isso sem contar a questão logística, é uma vacina conservada entre 2 a 8 graus que é compatível à estrutura de resfriamento do país. É uma opção viável a todo o país.

Continua após a publicidade

Houve uma pausa no estudo no mês de setembro, isso causou pânico nos participantes?

Sabe que não? Os nossos participantes são profissionais de saúde, portanto, entenderam que quando um estudo é pausado por segurança é para que a análise possa seguir ainda melhor, diante de regras rigorosas. Quando voltamos a trabalhar ainda recebemos o aval para dobrar o número de voluntários, chegando a 10.000. As pessoas não se sentiram em risco por colaborar com o estudo, sentiram-se mais seguras ao ver que estava tudo como esperado após uma análise minuciosa.

Depois de quase seis meses, qual o balanço que a senhora faz do estudo?

Estamos diante de um imunizante eficaz, com uso fácil e que pode causar importante impacto na redução da pandemia. Vamos ter uma vacina que faz a diferença. Para nós, está tudo bem, tudo ótimo. Ainda há mais da metade do caminho pela frente, mas estamos na trilha certa. É muito positivo que todos os estudos deem certo, e é ótimo que essas outras vacinas tenham eficácia maravilhosa, acima de 90%. O Brasil precisa de todas as vacinas.

 

Neste sábado, 12, o Brasil registrou uma média móvel de xxx  novos casos e xxxx óbitos pela Covid-19.

 

Continua após a publicidade

Adicionar aos favoritos o Link permanente.