Prefeitura de SP cancela shows online durante virada de ano em São Paulo


Cancelamento acontece depois de críticas feitas à gestão municipal sobre o cachê de R$ 320 mil que seria pago à dupla sertaneja Maiara e Maraisa, uma das atrações do réveillon 2021, que teria transmissão pelo Youtube. Maiara e Maraisa na Arena da Festa do Peão de Barretos 2018
Ricardo Nasi/G1
A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quinta-feira (17) o cancelamento dos eventos online que seriam realizados na capital paulista durante o Réveillon 2021, em 31 de dezembro. Por causa da pandemia do coronavírus na cidade, as comemorações presenciais estavam suspensas e a prefeitura realizaria vários shows com artistas famosos na virada de ano com transmissão online.
Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Turismo afirmou que espera com o cancelamento “enfatizar a importância de manter o distanciamento social e as medidas de prevenção à Covid-19 durante as festas de fim de ano”.
O cancelamento acontece depois de críticas à administração municipal recebeu críticas pelos shows no período mais crítico da pandemia do coronavírus neste segundo semestre e também pelos cachês previstos, que chegavam até a R$ 320 mil, no caso da dupla sertaneja Maiara e Maraisa, uma das atrações deste ano.
O vereador eleito de SP Rubinho Nunes (Patriota) chegou a entrar com uma ação popular na Justiça de SP contestando a contratação da dupla pela prefeitura, pagando o alto cachê.
Além da dupla Maiara e Maraisa, os shows da virada da Prefeitura de SP já tinham as apresentações confirmadas da Águia de Ouro, escola campeã do Carnaval 2020, dos cantores Lexa e MC Guimê e das atrações gospel Tony Allison, Eliana Ribeiro, Eli Soares, Regis Danese, Sarah Farias e Ester Marcos.
Na nota de cancelamento, a secretaria de Turismo afirmou que os shows que seriam transmitidos tiveram “as precauções para total segurança de artistas e profissionais envolvidos, conforme determinação dos protocolos de saúde”.
A secretaria também informou que os recursos destinados inicialmente às contratações artísticas “serão utilizados para uma ação conjunta entre as Secretaria Municipais da Cultura e de Turismo com foco em atividades artísticas de conscientização da população sobre cuidados sanitários diante da Covid-19”.
Queima de fogos marca a passagem de ano no réveillon da Paulista
Ricardo Bastos/Fotoarena/ Estadão Conteúdo
Queima de fogos
Antes de cancelar os shows online, a Prefeitura de São Paulo já tinha comunicado nesta quarta-feira (16) que a tradicional queima de fogos do Réveillon também não aconteceria mais. A decisão, segundo a administração municipal, era para evitar aglomerações em meio à pandemia do coronavírus. No ano passado, a festa reuniu cerca de 2 milhões de pessoas.
Em publicação no Diário Oficial do município, a prefeitura cancelou a licitação para a contratação de empresas para a queima de fogos no Réveillon 2021.
No último dia 11, ao divulgar os shows da virada do ano, que serão transmitidos pela internet, a prefeitura chegou a anunciar uma queima de fogos surpresa, que seria transmitida de algum lugar cujo endereço não seria anunciado antecipadamente para evitar aglomeração.
No dia 2 de dezembro, foi aberta a licitação para as empresas que quisessem fazer o espetáculo pirotécnico, mas a São Paulo Turismo.
Em 2018, um projeto de lei que proibia a utilização de fogos barulhentos foi sancionado por Bruno Covas.
Os fogos com efeitos visuais, sem estampido, continuam permitidos, assim como aqueles que produzem barulho de baixa intensidade. A lei vale para recintos abertos e fechados, públicos ou particulares, em toda a capital paulista.
Pela lei, também ficou proibida a fabricação e uso de quaisquer artefatos pirotécnicos com efeito sonoro ruidoso. Há multa em caso de descumprimento e será dobrado na primeira reincidência e quadruplicado a partir da segunda nas infrações cometidas dentro de um período inferior a 30 dias.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.