Prévia da FGV sinaliza recuo pelo 3º mês seguido da confiança de empresários e consumidores

Maior risco de uma segunda onda de Covid-19, perspectiva de fim dos benefícios emergenciais e dificuldades do mercado de trabalho afetam otimismo e expectativas, segundo pesquisa. A prévia das sondagens da Fundação Getulio Vargas sinaliza recuo pelo terceiro mês consecutivo da confiança empresarial e dos consumidores em dezembro.
Em relação ao número final de novembro, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) recuaria 1,7 ponto, para 93,9 pontos, enquanto o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) cairia 4,1 pontos, para 77,6 pontos, menor valor desde junho de 2020.
“A mudança de humor é influenciada pela piora de expectativas diante do maior risco de uma segunda onda de contaminação, o iminente fim dos benefícios emergenciais e as dificuldades do mercado de trabalho. Entre consumidores de renda mais baixa, há ainda preocupação com a aceleração da inflação. As notícias promissoras no campo da imunização são ainda insuficientes para garantir uma data certa para o fim da crise, o que faz com que empresários e consumidores se mantenham receosos em relação ao que os espera no início de 2021”, afirma, em relatório, Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens da FGV IBRE.
Vídeos: veja últimas notícias de economia
Adicionar aos favoritos o Link permanente.