Rachel Polito ensina técnicas para melhorar discurso

Especialista em comunicação verbal, Rachel Polito, que é formada em comunicação social, mestre em comunicação e consumo pela ESPM e especialista em Planejamento Estratégico pela Regis University, é referência quando pensamos em técnicas de apresentação. Ela foi convidada pela apresentadora Fabi Saad, do programa “Mulheres Positivas”, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 14, e trouxe uma série de experiências próprias e dicas essenciais para aqueles que desejam ser melhores na arte de falar. A especialista lembrou que, para segurar a atenção das pessoas na hora da comunicação, é necessário ter alternância no ritmo e velocidade da fala, movimentação física ou gesticulação e até mesmo alternação de temas. “É uma composição de tudo que faz com que as pessoas prestem atenção ou deixem de prestar atenção em você”, explicou.

Rachel Polito lembrou que preencher o silêncio durante as falas com ruídos não é recomendado e pode ser resolvido com a ordenação de pensamentos, quando quem dá a mensagem produz uma fala com começo, meio e fim. “O que nós precisamos ter consciência é que quando fazemos pausas silenciosas, elas são muito produtivas, elas têm muito valor. Muitas vezes, a pausa é muito mais importante do que a fala. Quando eu coloco uma pausa, até prolongada, no meio de uma informação relevante, eu dou tempo para que você preste atenção na minha informação, que você veja como é importante aquilo que eu falei e passe a prestar mais atenção naquilo. Então, não tem problema nenhum colocar essa pausa silenciosa, bonita, para demonstrar mais tranquilidade no que você está falando ao invés de ficar colocando esses ruídos, esses sons irritantes”, afirmou. Para ela, saber os pontos a serem discutidos e onde você quer chegar em uma conversa são condições essenciais para ter uma fala de qualidade.

A especialista lembrou que, erroneamente, muitas pessoas acreditam que a linguagem formal pode dar uma impressão de arrogância às pessoas. “A linguagem formal e a linguagem informal são uma coisa, vício de linguagem é outra. Muita gente acha que aprender a falar bem significa ter uma fala empolada. ‘Ah, então eu tenho que falar como se estivesse fazendo um discurso’, não é nada disso. A linguagem informal natural é gostosa, mas isso não significa que tem que ter um vício de linguagem ali no meio: ‘tipo, né, tipo assim’, nada disso vai contribuir para que sua mensagem fique menos arrogante, o que vai contribuir para que a sua mensagem seja menos arrogante é a sua postura, a maneira como você trata as pessoas, se a sua comunicação é não violenta”, disse.

Focar nas partes boas da comunicação também é uma dica valiosa da especialista. “Se você descobre o que você tem de bom, você ganha excelência na sua comunicação, se você só destaca, se você só percebe o que você tem de ruim, você não tem uma autoestima boa e aí você fica com muito medo de se expor, você fica com muito medo de falar, você fica com muito medo de se relacionar socialmente”, afirmou, lembrando que os defeitos sempre podem ser consertados, mas as características positivas devem sempre ser atualizadas. Como produção audiovisual para mulheres que querem empreender, Rachel indicou a série da Netflix Madam C. J. Walker, que conta a história da primeira mulher norte-americana a se tornar milionária. Como mulher inspiradora, ela lembrou de Helen Keller, a primeira pessoa surdo-cega a ter uma formação universitária. “Livro é sempre o próximo que eu vou escrever. E o próximo que eu vou escrever, além de estar lançando dois agora esse ano, não é um livro, é uma série que eu e a Fabi vamos escrever juntas para ajudar as mulheres”, afirmou. A série de livros online fruto da parceria entre as duas deve ter mais novidades divulgadas em breve.

Confira o programa “Mulheres Positivas” desta segunda-feira, 14, na íntegra:

Adicionar aos favoritos o Link permanente.