Sob forte comoção, corpo de cabeleireira assassinada pelo marido é velado no Recife


Crime ocorreu após a ceia de Natal, na madrugada da sexta (25). Parentes e amigos se despediram de Anna Paula Porfírio dos Santos em cerimônia no cemitério de Santo Amaro. Corpo de Anna Paula Porfírio, assassinada pelo marido em casa após a ceia de Natal, é velado no Cemitério de Santo Amaro
Marina Meireles/G1
O corpo de Anna Paula Porfírio dos Santos, de 45 anos, assassinada pelo marido após a ceia de Natal, na madrugada da sexta (25), foi velado neste sábado (26) no cemitério de Santo Amaro, no Centro do Recife. A cerimônia reuniu amigos e familiares da cabeleireira.
Segundo familiares e amigos, Anna Paula tinha quatro filhos. Uma delas, Milena Porfírio, de 20 anos, lamentou a morte da mãe nas redes sociais. “Nunca mais nenhum Natal vai ser o mesmo”, escreveu.
“A senhora é algo admirável. Um ser de coração bom, ajudava a todos. Sempre materna, sempre amiga, sempre irmã, sempre filha. Só te agradeço por ser quem foi e por me ensinar tudo”, disse Milena, em uma publicação.
Durante o velório da filha, a mãe de Anna Paula Porfírio, conhecida como Sônia, passou mal e precisou ser amparada por familiares
Marina Meireles/G1
Durante o velório, a mãe de Anna Paula, conhecida como Sônia, precisou ser amparada e sair da sala. A filha caçula de Anna Paula e Ademir, Mirelly, de 13 anos, desmaiou e também foi amparada por amigos e familiares.
Por volta das 12h30, um ônibus que saiu do Alto José Bonifácio, na Zona Norte Recife, chegou com parentes e amigos de Anna Paula. No velório, além da tristeza, a sensação era a de incompreensão.
“Infelizmente aconteceu isso aí e a gente não sabe o porquê. A gente só ficou sabendo pela manhã do que aconteceu. A surpresa foi muito grande, infelizmente. Conheço as filhas desde bebês. Meu filho é apaixonado pela avó e agora, infelizmente, acabou”, disse a dona de casa Camila Laleska, ex-nora de Anna Paula.
Justiça determina prisão preventiva de sargento acusado de matar companheira
Entenda o caso
O crime ocorreu na madrugada da sexta (25), na casa em que Anna Paula e Ademir Tavares de Oliveira, sargento reformado da PM, moravam, no Alto do Mandu, na Zona Norte do Recife. De acordo com a polícia, ela foi atingida por disparos de arma de fogo na face e no tórax, no quarto do casal.
Pouco antes, os dois haviam participado de uma ceia de Natal no andar de baixo da casa, com outros familiares. Segundo a perícia, os parentes chegaram a ouvir o barulho dos tiros, mas não conseguiram socorrê-la. Anna Paula morreu no local.
Com a chegada de policiais militares, Ademir Tavares não apresentou resistência. A princípio, ele foi encaminhado ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Cordeiro, na Zona Oeste, onde foi autuado em flagrante pelo crime de feminicídio — quando a vítima é morta por ser mulher. Depois de uma audiência de custódia, ele teve a prisão em flagrante transformada em prisão preventiva e foi encaminhado ao Creed, Centro de Reeducação de Policiais Militares.
Anna Paula Porfírio dos Santos tinha 45 anos
Reprodução/Instagram
Feminicídios no estado
De acordo com a Secretaria de Defesa Social, foram registrados 59 feminicídios entre os meses de janeiro e outubro de 2020. No mesmo período do ano anterior, foram contabilizados 51 crimes do tipo. Ao longo de todo o ano de 2019, houve 57 registros de assassinatos de mulheres por condição de gênero.
Em relação a estupros, o mês de novembro de 2020 registrou uma redução de 21,63% nos números de casos em relação com o mesmo período do ano anterior. Em 2020, foram 163 casos, contra 208 no ano anterior.
O estado também reduziu o número de casos acumulados até o 11º mês do ano, com um recuo de 12,89% em comparação com 2019, segundo a secretaria. Em 2019, até novembro foram contabilizados 2.397 casos. Neste ano, a secretaria informou que foram 2.088 até novembro.
VÍDEOS: Monitor da Violência
Adicionar aos favoritos o Link permanente.